Cristina Kirchner é processada por corrupção - Revista Oeste

Edição da semana

Em 1 out 2020, 08:02

Cristina Kirchner é processada por corrupção

1 out 2020, 08:02

Vice-presidente da Argentina teria recebido propina de empreiteiros camaradas

cristina kirchner

A vice-presidente da Argentina também carrega nas costas uma penca de processos | Foto: Divulgação/Flickr

Na quarta-feira 30, a Câmara Federal de Cassação Penal da Argentina confirmou um processo contra a vice-presidente do país, Cristina Kirchner, por suposto pagamento de propina relacionado à arrecadação de recursos ilícitos no “caso dos cadernos da corrupção”. O tribunal rejeitou os pedidos da defesa e manteve o embargo de 200 milhões de pesos (R$ 14,8 milhões) anteriormente decretado pela Câmara Federal. Além disso, o entendimento da Justiça também afeta Julio De Vido, ministro de Planejamento e Obras Públicas entre 2003 e 2015; Nelson Periotti, ex-diretor do Departamento Nacional de Estradas, e vários empresários vinculados à construção civil, como Carlos Wagner e Osvaldo de Sousa. Em razão do cargo que ocupa, Cristina possui foro privilegiado.

Leia também: “Senado da Argentina aprova reforma do Judiciário”

Todos são acusados por suposta associação ilícita em 175 casos de suborno passivo, em que teriam recebido propina com a intenção de favorecer empresários na concessão de obras públicas estatais entre 2003 e 2015. A cartelização de obras públicas é um dos casos derivados da linha principal do “caso dos cadernos”, centrado na suposta existência, durante os governos de Néstor e Cristina Kirchner (2003-2015), de uma conspiração de pagamentos de propina milionários de empresários de obras públicas a funcionários de alto cargo do governo, incluindo o próprio casal presidencial. Neste caso específico, foi investigada a organização de pagamentos ilegais que operavam sob o guarda-chuva do antigo Ministério de Planejamento e Obras Públicas da Argentina.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. Só espero que a Argentina consiga se passar a limpo antes da ocorrência de uma tragédia maior que seria a Venezuelização do país. Torço para que as instituições corrijam o rumo do país e recoloquem a Argentina no caminho de um bom futuro !!

    Responder
  2. Ah, a Esquerda! Como ela gosta de uma grana! Ainda bem que estamos nos livrando deste vírus! A pelagaiada vai ter que trabalhar!

    Responder
  3. A Argentina esperava chegar a bom lugar fazendo velhas escolhas? A mudança se faz necessária para que os vícios sejam quebrados. O Brasil aprendeu esse caminho!

    Responder
  4. Meus pêsames .

    Responder
  5. Por que será que não nos espanta essa notícia?…

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês