Debandada na equipe econômica não muda postura do Novo: 'Só diminui a crença' - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 13 ago 2020, 10:00

Debandada na equipe econômica não muda postura do Novo: ‘Só diminui a crença’

13 ago 2020, 10:00

Partido permanecerá votando alinhado à agenda econômica, mas sem a crença anterior à saída de Salim Mattar e Paulo Uebel

Paulo Ganime (Novo-RJ), líder do partido, acredita que Bolsonaro não passa confiança à agenda liberal de sua equipe econômica

O desembarque de dois secretários do Ministério da Economia não muda a forma como o Novo se posiciona em relação ao governo, em especial no que se refere à agenda econômica. O partido continuará votando a favor das pautas econômicas, mas reconhece que diminui a crença na agenda liberal do ministro Paulo Guedes.

A bancada do Novo não faz críticas à equipe econômica, mas questiona o compromisso do presidente Jair Bolsonaro com a agenda liberal de Guedes. “Não muda nada, só diminui a crença”, define a Oeste o líder do Novo na Câmara, Paulo Ganime (RJ).

A crença do Novo faz referência às chances de a Presidência da República e o Congresso bancarem a agenda de Guedes da maneira como a equipe econômica gostaria de tocá-la — sobretudo em meio ao relacionamento construído entre Executivo e Centrão. O Blocão é composto de muitos parlamentares ainda afeitos ao fisiologismo.

Agenda liberal

Pelo Twitter, Ganime expôs sua opinião sobre Bolsonaro e a agenda liberal. “Bolsonaro nunca foi liberal, mas muitos liberais pediram voto para ele no primeiro turno, mesmo o Novo tendo alternativa verdadeiramente liberal. Está claro que não basta ter boa equipe se o capitão leva o barco para o outro lado”, criticou.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

8 Comentários

  1. Lembrem do Big Brother, o povo esta vendo quem são os participantes q estão a favor do Brasil e quais estão contra, a internet não perdoa.

    Responder
  2. NOVO liberal??? Na boa, NOVO revelou-se nesta quarentena mais um partido progressista apoiando as pautas autoritárias de governadores e prefeitos. Menos, bem menos!

    Responder
  3. SINCERAMENTE?
    Quero que o Partido NOJO se exploda.

    Responder
    • Estamos Juntos !!!

      São Tudo New Left

      Responder
  4. Debandada ?

    Onde ?

    Responder
  5. É impressionante com tudo neste governo é potencializado pela imprensa: Saída de 2 membros da equipe econômica, vira “demandada”.

    Responder
    • Como o Novo pode ser novo se presidente pratica a velha política e o velho discurso demagógico?

      Responder
  6. Esse Novo é liberal só da boca para fora. No fundo, gostam da mão grande e pesada no Estado. Não me enganarão de Novo

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês