Decreto coloca Unidades Básicas de Saúde no programa de privatizações

Edição da semana

Em Em 28 out 2020, 16:40

Decreto coloca Unidades Básicas de Saúde no programa de privatizações

28 out 2020, 16:40

Governo federal esclarece que medida permite apenas a elaboração de estudos de alternativas de parceria com a iniciativa privada

posto

Posto de Saúde em São Paulo | Foto: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo

Foi publicado na terça-feira 27, no Diário Oficial da União, um decreto que incluiu as Unidades Básicas de Saúde do SUS no programa de concessões e privatizações do governo, o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

O documento foi assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

O texto afirma que a medida permite “a elaboração de estudos de alternativas de parceria com a iniciativa privada para a construção, a modernização e a operação de Unidades Básicas de Saúde dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios”.

LEIA MAIS: “Governadores terão reunião com Maia, Alcolumbre e Guedes sobre vacina”

Segundo o decreto, os estudos terão a finalidade inicial de estruturação de projetos-piloto, cuja seleção será estabelecida em ato da Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos do Ministério da Economia.

As UBSs são a principal porta de entrada do SUS. Elas realizam os procedimentos ligados à atenção primária, como consultas, atendimento de pequenas urgências, coleta de exames, vacinação e cadastramento dos usuários.

O decreto gerou repercussão e críticas de que o governo estava propondo a privatização do Sistema Único de Saúde. Foram até mesmo protocolados na Câmara ao menos cinco projetos de decreto legislativo para suspender o decreto do Executivo.

Entre os postulantes estão Maria do Rosário (PT-RS), Rogério Correia (PT-MG), Rubens Bueno (Cidadania-PR) e a bancada do Psol.

Secretaria-Geral da Presidência

Nesta quarta-feira, 28, a Secretaria-Geral da Presidência da República emitiu uma nota esclarecendo o decreto.

O ministro Jorge Oliveira disse que a medida não representa nenhuma decisão prévia, pois os estudos técnicos podem oferecer opções variadas sobre a questão, que futuramente serão analisadas pelo governo federal.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Sou totalmente a favor, pois saúde universal e gratuita não obriga o Brasil a ter hospitais públicos para isso. Pode-se muito bem transmitir para a iniciativa privada, desde q severamente fiscalizado, do contrário, ineficiência e fraude continuarão a ocorrer.. A oposição vai chorar pq é mais uma fonte de roubalheira q seca, além de uma cacetada atômica na cabeça dos sindicatos de funcionários públicos, nada mais q extensões de partidos de esquerda.

    Responder
  2. O Guedes precisa explicar o decreto a acalmar os ânimos.
    Que o SUS não funciona e sempre esteve presente em escândalos de corrupção, É FATO!!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês