Deltan Dallagnol é punido com censura pelo CNMP - Revista Oeste

Edição da semana

Em 8 set 2020, 13:01

Deltan Dallagnol é punido com censura pelo CNMP

8 set 2020, 13:01

Ex-coordenador da Lava Jato no Paraná foi acusado pelo senador Renan Calheiros

Deltan Dallagnol

Ex-coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná Deltan Dallagnol
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Por 9 votos a 1, o Conselho Nacional do Ministério Público puniu o ex-coordenador da Lava Jato em Curitiba Deltan Dallagnol com censura por interferência na votação para a presidência do Senado em 2019.

Na prática, a penalidade de censura é a segunda mais grave aplicada pelo conselho. Ela atrasa a progressão na carreira e serve de agravante em outros processos.

Leia mais: “Quem vai mandar na Lava Jato?”, reportagem de capa da edição desta semana da Revista Oeste

Procuradores também podem ser punidos com advertência, suspensão, demissão ou cassação da aposentadoria.

A representação foi apresentada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), que acusou Dallagnol de ter influenciado, pelas redes sociais, a eleição para a presidência do Senado em 2019.

Na ocasião, o procurador afirmou que a pauta anticorrupção dificilmente avançaria caso Calheiros fosse eleito. Ele foi derrotado por Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O procurador deixou a Lava Jato na semana passada alegando que vai se dedicar à saúde da filha.

Relator do caso

O relator do processo, conselheiro Otávio Rodrigues, fez críticas diretas a Dallagnol.

“O requerido ultrapassou os limites da simples crítica, ou manifestação desconfortável à vítima. Ele atacou de modo deliberado não somente um senador da República, mas o Poder Legislativo, constituindo violação a direito relativo à liberdade moral de terceiros e à imagem constitucional do Parlamento”, defendeu Rodrigues.

Gilmar Mendes

A ação havia sido travada em agosto pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, mas foi liberada na última sexta, 4, pelo ministro Gilmar Mendes.

Ele atendeu a um recurso da Advogacia-Geral da União que alertou sobre o risco de os processos contra Deltan prescreverem sem que fossem julgados e garantiu que a defesa do procurador teve todo o direito de se defender.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

7 Comentários

  1. Agora, os crimes do Renan vão todos prescrever. Como é bom ter alguns ministros no bolso, não é mesmo?

    Responder
  2. O mocinho é punido e o bandido fica solto, somente com os brasileiros na rua para mudar isso

    Responder
  3. ora, ora, ora. Os paladinos da “justiça” tbm são censurados. O mundo dá voltas. Chama Moro.

    Responder
    • Chama tua mãe.

      Responder
  4. Pois é, mais uma vez a banana comeu o macaco. Um procurador honrado é censurado enquanto que um senador de m****, vagabundo e corrupto, segue impune com a ajuda do canalha Gilmar Mendes.

    Responder
  5. Simplesmente vergonhoso.

    Responder
  6. É, mais uma vez o rabo abanou o cachorro!!!
    A justiça brasileira é como o sábio goleiro Kafunga dizia, prá ela o errado é o certo.
    Dallagonol é um dos homens mais honrados que temos na justiça brasileira. Gostaria que fosse convidado para um cargo expressivo, ou mesmo candidato. Precisamos de homens do seu porte.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês