Candidatura avulsa 'é democrática' e precisa ser liberada, diz deputada

Edição da semana

Em Em 26 out 2020, 21:30

Deputada defende candidatura avulsa: ‘É democrática’

26 out 2020, 21:30

Bia Kicis critica regra que dá comando do processo eleitoral aos partidos

candidatura avulsa e reforma política - deputada bia kicis

Foto: Canva

Defensora assumida de que o Brasil precisa encarar uma reforma política, a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) voltou a falar sobre o tema na noite de hoje. Em entrevista à rádio Jovem Pan, a integrante da base aliada do presidente Jair Bolsonaro levantou questões como formatos de candidaturas, sistema de governo e reeleição às mesas diretoras das Casas legislativas.

Leia mais: “Obrigar ‘vacina experimental’ é ação ‘ditatorial’, diz Bia Kicis”

Sobre modelo de candidaturas, Bia defende a ideia de que o processo eleitoral não pode ser controlado somente pelos 33 partidos políticos devidamente registrados no país. Ela afirma que a reforma política precisa passar pela liberação da chamada candidatura avulsa, quando determinado político chega ao pleito sem ser filiado a nenhuma legenda — atualmente, Bolsonaro é exemplo de agente público sem partido.

[A candidatura avulsa] é muito democrática”, declarou a congressista ao participar de Os Pingos nos Is, atração em que respondeu a perguntas formuladas pelo apresentador Vitor Brown e pelos comentaristas Guilherme Fiuza e Ana Paula Henkel, esses dois últimos colunistas da Revista Oeste.

“Temos o hábito de votar em pessoas, não em partidos”

Nesse ponto, a entrevistada destacou que aprovar a candidatura avulsa não representará nenhuma novidade no cenário político mundial. Pelo contrário, aliás. “O Brasil é um dos únicos lugares do mundo onde isso não é possível”, pontuou. “Temos o hábito de votar em pessoas, não em partidos”, alegou a deputada.

Não ao parlamentarismo

Ainda sobre reforma política, Bia Kicis fortaleceu seu pensamento contrário à possibilidade de o sistema de governo brasileiro trocar o presidencialismo pelo parlamentarismo. Para ela, não é correto mudar esse tipo de regra após esforços concentrados para a eleição de Jair Bolsonaro à Presidência da República. Admite, contudo que, no Congresso Nacional, há políticos que “querem impor o parlamentarismo”.

Por fim, a deputada federal pelo PSL do Distrito Federal criticou a tentativa de reeleição por parte de Davi Alcolumbre (DEM-AP) e Rodrigo Maia (DEM-RJ) para as presidências do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, respectivamente. Situação que ela classifica como “manobra”. Além de defender a alternância de poder no comando do Congresso, ela lembra que tal ação é proibida pela Constituição.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

O custo e o valor de ser ‘contrariador’

Prêmios como o ‘Contrarian Prize’ servem para aplacar o medo que muitos têm de se manifestar em defesa daquilo em que acreditam e assim reduzir o poder social do cancelamento cultural

Mentir e trancar é só começar

“Se você começar a proibir aglomeração em ônibus, vai faltar povo pra abastecer a quarentena vip, né?” / “Aí você captou tudo. Vidas doces importam”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Não é erro, é viés!

Não é uma tese conspiratória imaginar que há, sim, esquema nas pesquisas. Essa é uma possibilidade plausível

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O ex-mártir

O ex-mártir

"O antigo santo da luta anticorrupção, bandido para a esquerda e traidor para os bolsonaristas é um homem como qualqu...
A descoberta do ano

A descoberta do ano

"Desde o primeiro caso de covid-19, boa parte dos políticos viram na epidemia uma belíssima oportunidade para tirar pr...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 37 — 04/12/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês