Deputados não descartam manter versão aprovada do PLP 149 se o Senado alterar - Revista Oeste

Edição da semana

Em 15 abr 2020, 10:00

Deputados não descartam manter versão aprovada do PLP 149 se o Senado alterar

15 abr 2020, 10:00

O Senado tem a prerrogativa de fazer modificações no substitutivo do Projeto de Lei Complementar (PLP) 149/19, um dia chamado de Plano Mansueto. Mas, se o fizer, líderes na Câmara não descartam, desde agora, a possibilidade de rejeitar o texto original e manter a redação aprovada na segunda-feira 13.

Oeste conversou com lideranças na Câmara e ouviu de parlamentares que essa é uma possibilidade real. “Se eles alterarem lá, a gente altera aqui de volta para o texto original”, diz um líder. Tudo, claro, dependerá de o Senado alterar e de quanto da redação original for modificada. Enquanto o governo tentará propor ajustes, deputados vão defender a manutenção da matéria como está.

Se a costura entre lideranças das duas casas agradar aos deputados, é possível que a proposta aprovada no Senado seja chancelada pela Câmara. Contudo, se as mudanças forem muito mais benevolentes àquilo que o governo deseja, a possibilidade de rejeição ao substitutivo dos senadores é alta. O senador Eduardo Gomes (MDB-TO), líder do governo no Congresso, fala em desidratação do plano de socorro.

Tudo dependerá dos próximos “episódios”. Os deputados favoráveis ao substitutivo ao PLP 149 julgam ter tido uma desgastante relação durante a votação e se queixam da postura de alguns governistas, sobretudo da equipe econômica. Acusam o Executivo de ter apresentado fake news em alguns dados.

Relação

A Câmara, contudo, precisará alinhar a própria relação com o Senado antes de cogitar a ideia de rejeitar um eventual texto alterado pela Casa revisora. Os senadores estão irritados com os deputados, uma vez que estes aprovam propostas dos colegas e eles não têm a mesma deferência.

O próprio presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pleiteou junto ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a inserção de pautas aprovadas pelos senadores. Os dois conversaram ontem, e o deputado se comprometeu a incluir na ordem do dia da próxima quinta-feira, 16, matérias aprovadas pelos senadores, como a que cria uma linha de microcrédito para as empresas.

Somente depois que a Câmara fizer sua parte é que as conversas pelo substitutivo ao PLP 149 serão conduzidas. Até lá, deputados pedem toda a discrição para não transparecer a intenção pura e simples de rejeitar o que os senadores aprovarem.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Parabéns deputados. Os senhores estão aí para provar a máxima que ouço desde sempre: A culpa é do povo que não sabe votar.
    O que nos exime de parte dessa culpa é que entre canalhas, cafajestes, mau caráter, bandidos e aproveitadores que formam a maioria da classe politica do Brasil, nossa chance de acerto é praticamente zero.

    Responder
    • Quando pensamos que conseguimos escolher um pouco melhor, eis que somos surpreendidos por canalhas ainda piores. É desesperador!

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

A retórica inútil da oposição

Os adversários do governo parecem felizes em fazer tudo o que não é importante num trabalho político que pretenda dar certo

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês