Dez partidos com pouquíssimos votos receberão R$ 43 milhões do Fundo Eleitoral - Revista Oeste

Em 12 jun 2020, 15:00

Dez partidos com pouquíssimos votos receberão R$ 43 milhões do Fundo Eleitoral

12 jun 2020, 15:00

Mesmo sem ter cumprido a cláusula de barreira, as legendas terão direito à verba eleitoral, que este ano ultrapassou os R$ 2 bilhões

fundo eleitoral - nanicos - cláusula de barreira

A Rede de Marina Silva perdeu direito à propaganda na TV e ao Fundo Partidário, sobrou só o Fundo Eleitoral | Foto: Elisa Fiuza/Agência Brasil

Enquanto os rivais Partido dos Trabalhadores (PT) e Partido Social Liberal (PSL) receberam as maiores fatias do Fundo Eleitoral, ficando junto com R$ 400 milhões dos mais de R$ 2 bilhões disponibilizados para as eleições municipais deste ano, dez partidos com péssima performance no último pleito terão direito a R$ 43 milhões do “fundão”.

O Congresso se movimentou em duas frentes aparentemente contraditórias nos últimos anos quando o assunto são eleições e partidos.

Com a proibição pelo Supremo Tribunal Federal em 2017 do financiamento de campanha por empresários, criou o Fundo Eleitoral, que coloca dinheiro público para que seja possível realizar as movimentações pré-eleições.

Por outro lado, aprovou a chamada cláusula de barreira, que tem como meta extinguir partidos de aluguel ou que tenham performances irrisórias nos pleitos. Os objetivos a serem atingidos começaram a ser impostos em 2018 e serão endurecidos a cada eleição.

Já nas últimas, 14 legendas não obtiveram o desempenho mínimo, ou seja, obter ao menos 1,5% dos votos nacionais para deputado federal, entre outras exigências. Entre esses partidos estavam o Partido Comunista do Brasil (PC do B)e a Rede.

Para não perderem verba, o PC do B incorporou outro nanico, o Partido Pátria Livre (PPL). Já a Rede de Marina Silva e outros nove partidos perderam acesso à propaganda na TV e dinheiro do Fundo Partidário, que, junto do Fundo Eleitoral, são as principais fontes de recursos das siglas.

Contudo, por decisão do Congresso, esses partidos continuaram a ter acesso ao Fundo Eleitoral.

Além da Rede, PMN, PTC, DC, PRTB, PSTU, PCB, PCO, PMB e UP estão na lista dos “nanicos”. A Rede ficará com a maior fatia dos R$ 43 milhões, abocanhando R$ 20,4 milhões. O PMN ficará com R$ 5,8 milhões, o PTC com R$ 5,6 milhões e o DC com R$ 4 milhões. Os outros partidos terão de sobreviver com R$ 1,23 milhão cada.

Tanto o Fundo Partidário, quando o Fundo Eleitoral são distribuídos pelo Congresso em acordo com o governo.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. É muito fácil. O bobo do contribuinte que nunca é consultado é quem paga tudo isso. Afinal, não sai nada do bolso de quem vota concedendo essas indevidas benesses..

    Responder
  2. Criar um partido político é um ótimo negócio. Recebe dinheiro do contribuinte de duas formas: legalmente, através dessas verbas eleitorais e, ilegalmente, através de negociatas de ocasião.

    Responder
  3. Confundem liberdade de expressão, com liberdade de apreensão. Bens públicos são apreendidos, na maior cara de pau, para financiar partidos. Não é uma coisa legal.

    Responder
  4. Verbas públicas, digo.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias