Prisão domiciliar em massa e Chico Rodrigues pautam dia do STF

Edição da semana

Em Em 20 out 2020, 21:34

Dia do STF vai de Chico Rodrigues a prisão domiciliar

20 out 2020, 21:34

Supremo ainda analisou caso de ex-ministro pego com mais de R$ 50 milhões e anunciou novo relator do inquérito sobre Moro X Bolsonaro

stf - nelson jr - decisões sobre prisão domiciliar

Fachada do Supremo Tribunal Federal | Foto: Nelson Jr/STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) tomou ao menos quatro decisões ao decorrer desta terça-feira, 20, que movimentam o ambiente político e o sistema carcerário do país. Seja por meio de julgamentos da Segunda Turma, parecer monocrático ou sorteio, o órgão definiu questões sobre o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA), o inquérito que opõe Sergio Moro & Jair Bolsonaro e a situação de detentos que são pais de crianças ou adolescentes.

Leia mais: “Com bens bloqueados, Doria reclama de decisão ‘descabida’ da Justiça”

Em relação a Chico Rodrigues, que na última semana foi flagrado por agentes da Polícia Federal (PF) com dinheiro na cueca, o ministro Luís Roberto Barroso recuou da própria decisão tomada há cinco dias e, agora, suspendeu o afastamento do parlamentar. O novo parecer foi divulgado após o senador pedir licença por 121 dias de suas atividades como congressista, conforme noticiou Oeste mais cedo. Dessa forma, o caso não será mais analisado pelo plenário do Supremo.

Enquanto coube a Barroso decidir a respeito de Rodrigues, outro integrante do STF soube hoje que será o relator do inquérito movido a partir de um ex-ministro de Estado contra o presidente da República. Isso porque sorteio eletrônico definiu que Alexandre de Moraes assumirá a relatoria do caso em que o ex-titular da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro acusa Jair Bolsonaro de tentar interferir nas atividades da PF. Anteriormente, o caso estava sob cuidados de Celso de Mello, que se aposentou na última semana.

Julgamentos da Segunda Turma

O dia do STF também contou com sessão da Segunda Turma. Primeiramente, os magistrados definiram que o ex-ministro e ex-deputado federal Geddel Vieira Lima seguirá encarcerado. A defesa do emedebista solicitava a ida para o regime semiaberto — o que foi negado. Votaram contra o político os ministros Edson Fachin (relator), Celso de Mello (aposentado, mas que já tinha dado seu parecer), Cármen Lúcia e Gilmar Mendes. Somente Ricardo Lewandowski votou pelo relaxamento da pena imposta a Geddel, que teve R$ 51 milhões apreendidos em seu apartamento em Salvador no ano de 2017.

O político seguirá cumprindo pena em regime fechado, mas a Segunda Turma decidiu nesta terça que outros presos deixarão essa condição. Por unanimidade, os ministros do STF aprovaram a concessão de prisão domiciliar aos detentos que “são pais ou responsáveis por crianças menores de idade ou deficientes”, conforme informa a Agência Brasil. O benefício não será, entretanto, automático. Nesse sentido, o Supremo definiu que cada caso de prisão domiciliar deverá ser avaliado de forma individual por juízes. Por fim, a Corte destacou que tal direito não vale para quem praticou crime “mediante violência ou grave ameaça e contra os próprios filhos ou dependentes.”

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Tô kagando pra esse cupincha, por mim devia colocar essa peste na baia de guantanamo!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês