Dilma jaz no Mausoléu das Bestas Quadradas - Revista Oeste

Revista

Dilma jaz no Mausoléu das Bestas Quadradas
A supergerente do Brasil foi só um embuste vendido a multidões de eleitores abúlicos por políticos e jornalistas que perderam o juízo, a sensatez ou a vergonha
3 abr 2020, 10:54

Confrontados com a notícia de que Dilma Rousseff andava enxergando um cachorro oculto por trás de cada criança brasileira, os craques do duelo retórico hoje sumidos da paisagem política brasileira teriam destruido a usina de maluquices instalada na Presidência da República com meia dúzia de frases de grosso calibre. Um Carlos Lacerda, por exemplo, provavelmente sugeriria que a chefe de governo dedicasse ao exame dos incontáveis problemas reais o tempo que desperdiçava em visões mediúnicas. Um Jânio Quadros talvez perguntasse se os cães de Dilma também eram distribuídos de acordo com as classes sociais. Nessa hipótese, emendaria Jânio, acaso teria a senhora presidenta visto um galgo afegão seguindo um pequeno favelado? Ou uma matilha de vira-latas escoltando a filharada da elite golpista?

Para sorte de Dilma, a Era da Mediocridade transformou numa espécie em extinção a fina linhagem dos grandes políticos bons de briga, ágeis no raciocínio e rápidos no gatilho. O adversário mal acabara de disparar uma bala bêbada e lá vinha o revide certeiro e letal.

Conteúdo exclusivo para assinantes

TAGS

27 Comentários

  1. Augusto, como sempre, primoroso.

    Responder
    • eu diria, didático

      Responder
      • O interesante de relembrar a esta era da “PresidANTA”.Que nada de bom tem, São as gafes, pois parecia competição em revistas de quadrinhos…
        É inacreditável.

        Responder
      • Augusto, me diga aonde estava a extrema imprensa naquela época de grandes desatinos

        Responder
        • Faturando a nossa grana em troca do absoluto silencio

          Responder
      • Como sempre excelente texto.👏👏👏

        Responder
    • Perfeito!!!!

      Responder
  2. Espero que vc esteja certo e está coisa não ressurja numa eleição qualquer. Taí o Collor que não nos deixa mentir.

    Responder
    • Parabéns Augusto .Cirurgicamente corretas as suas observações.
      Parabenizo pela revista , com um seleto grupo.

      Responder
  3. Esta com certeza foi sua primeira morte que é definitiva, a segunda e ultima talvez possamos lamentar, mas a morte politica é de se comemorar!

    Responder
    • Esta Gata tem sete vidas, a segunda já foi dada pelo Lewandovisk, na terceira o povo de MG deu-lhe um tiro na testa. Acho que estamos vendo a reprise de The walking dead. As criaturas do mal nunca morre veja o seu criador Luladrão novinho em folha renascido do inferno.

      Responder
  4. Irretocável! Grande Augusto Nunes. Minha reverências.

    Responder
  5. 👏👏👏

    Responder
  6. A extrema imprensa, que nos dois mandatos de Dilma era vendada por polpudos subornos e, em muito menor grau, por afinidade ideológica, hoje não tolera qualquer ato ou palavra de Jair Bolsonaro.

    Responder
  7. Caro Augusto, como é bom voltar a ler os seus artigos. Além de tudo é divertido.
    Já faz muito tempo, mais precisamente desde o resultado das eleições de 2018, que me refiro a essa aberração como “a cadáver insepulto”.

    Responder
  8. Acho que tu tá bem brabinho depois dos soquinhos no Glenn… he he he. Aliás, temos que convir que o brasileiro é bonzinho. Elegeu uma guerrilheira! Depois que passar a pandemia a esquerda brasileira terá muito trabalho em explicar sua aliança com o partido comunista chinês.

    Responder
    • Discordo quanto ao guerrilheira. O termo correto é TERRORISTA. Acho o Augusto Nunes brilhante e por isso não deveria perder seu tempo com a Cadáver Insepulto.

      Responder
  9. Parabéns pela Revista.O artigo de Dilma é antológico,poucos intelectuais ainda conservam a verve e o humor de Augusto Nunes.Lembra N.Rodrigues,Millôr Fernandes,S.Ponte Preta que ficaram nos livros que ainda lemos.Fica devendo um livro com suas coletâneas de artigos.

    Responder
  10. Como jornalista, sinto ter de concordar com o que Thomas Sowell afirma: os que se consideram intelectuais, mas sequer dispõem de conhecimento para tanto, são os que mais prejudicam um país, seja pela arrogância, seja pelo ressentimento. Querem porque querem que a nação lhes reconheça a inteligência e perspicácia. Parabéns, Augusto.

    Responder
  11. Cada vez mais, sou fã de seus comentários. Um oceano de sensatez para uma ilha de insensatos chamada Brasil.

    Responder
  12. Brilhante … mas corremos um grande risco, devido à crise que se avizinha, de que esse “cadáver político insepulto” ressurja nas próximas eleições, junto com outros oportunistas da mesma espécie, com a pecha de salvadores da pátria … afinal, vivemos em um país que elegeu e reelegeu por anos figuras como Collor, Sarney, Maluf, Temer, Aécio, etc …. oremos ….

    Responder
  13. Parabéns, Augusto Nunes. O texto revela a lucidez, a coragem e a inteligência de um profissional comprometido – sempre – com a verdade e a defesa da liberdade de confrontar as alucinações trazidas pelo vírus da corrupção e da incompetência de governantes, a exemplo desse resto de assombração terrorista chamado Dilma Rousseff. Viva a Oeste!

    Responder
  14. O texto é ótimo, mas esta 4 anos atrasado.
    Ninguém mais lembra da Dilma!
    Não precisamos que ela ressuscite agora!

    Responder
  15. Augusto NUnes, essa é a edição 10826 do mesmo artigo!!!!! Deixa de ser preguiçoso e aborde outros temas.

    Responder
  16. Não podemos dissociar passado, presente e futuro. A História sempre foi um navio quebra-gelo disposto a destruir tudo o que se colocar à sua frente.

    Responder
  17. Ler Augusto Nunes é sempre um ato de vaidade. Quão poucos têm este prazer de ver o mundo nos rodeia – e nos oprime – ser decifrado com a palavra certa, com a ironia medida, com o respeito aos fatos e a indignação, sutil, mas não menos impiedosa com os bandidos arrogantes, com pose de estadista, que insistem fazer de nossa gente refém de um infecto prostíbulo que eles chamam de política e até de
    estado democrático.

    Responder
  18. Perfeito, engraçado, inteligente e profundo texto. De fato, como dama foi tratada essa maluca nas eleições, com tanta coisa que poderia ter sido explorada. Onde estavam todos?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Revista Oeste — Edição 10 — 29/05/2020

OESTE NOTÍCIAS