Dívida pública será maior que o PIB, projeta economista - Revista Oeste

Edição da semana

Em 25 maio 2020, 20:59

Dívida pública será maior que o PIB, projeta economista

25 maio 2020, 20:59

Análise é do diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI), Felipe Salto

diretor da Instituição Fiscal Independente - ifi - economista Felipe Salto - edilson rodrigues - agência senado

Felipe Salto, da IFI: dívida pública crescerá ainda mais
Foto: EDILSON RODRIGUES/AGÊNCIA SENADO

A crise fiscal relacionada ao “Covidão” persistirá no Brasil no decorrer dos próximos anos. Ao menos é o que prevê o economista Felipe Salto. Presidente da Instituição Fiscal Independente (IFI), ele participou hoje de uma reunião de comissão do Congresso Nacional. Segundo afirma Salto, o pior em termos econômicos ainda está por vir (e ocorrerá em 2026).

Leia mais: “Mercado prevê queda de 5,89% no PIB em 2020”

Para o economista, daqui a seis anos a dívida pública se tornará maior do que o Produto Interno Bruto (PIB). Isso mesmo. Na projeção do diretor da IFI para 2026, a dívida passará de 100% do PIB. A análise dele foi acompanhada de perto por parlamentares.

“Só em 2020 a dívida deve saltar de 75,8% para 86,6% do PIB, um aumento superior a 10 pontos porcentuais. E o país precisa estar atento, pois, mesmo com a adoção de eventuais ajustes em 2021, a dívida crescerá mais 4,5% e continuará a crescer nos próximos anos. A situação é muito grave”, disse Salto, em tom nada animador, informa a Agência Senado.

O economista registrou, contudo, que a projeção apresentada por ele não representa, necessariamente, que o Estado não deva investir em ações para combater a disseminação da covid-19. O país enfrentará, entretanto, problemas de orçamento, avisou. “Não significa que não se deva gastar agora, mas o Brasil precisará compreender que, a partir de 2021, a chamada ‘lição de casa’ a ser cumprida será exigente. Vai ter de ter aumento das receitas, corte em despesas obrigatórias e a restauração das regras fiscais. Principalmente no que tange ao teto dos gastos públicos”, diz.

Preocupação com o déficit

Além de estimar que a dívida pública passará de 100% do PIB em 2026, o presidente da IFI se mostrou preocupado com a situação financeira do país já neste ano. Ele garantiu que o déficit do Brasil em 2020 poderá romper a barreira dos R$ 700 bilhões — rombo que poderá aumentar caso a pandemia se prolongue.

Com isso, Salto pediu que senadores e deputados federais reavaliem determinados gastos. “É muito importante evitar o risco de que se aprovem medidas não relacionadas à crise, que acabam gerando gastos permanentes. Me refiro a reajustes salariais, contratações ou outras despesas permanentes”, comentou, sinalizando apoiar a medida que visa congelar os vencimentos dos servidores públicos.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Lúcido, transparente e direto.

    Responder
  2. Acabou o milho acabou a pipoca. A autofagia do funcionalismo público será inevitável, não haverá dinheiro para pagar o salário de todos.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês