Domingo é marcado por protestos na Argentina - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 14 set 2020, 08:10

Domingo é marcado por protestos na Argentina

14 set 2020, 08:10

Manifestantes exigem o fim do isolamento social e criticam o governo dos peronistas Alberto Fernández e Cristina Kirchner

domingo

Argentinos desafiaram o governo de esquerda de Fernández | Foto: REPRODUÇÃO/TWITTER

No domingo 13, milhares de argentinos tomaram as ruas para protestar contra o governo dos peronistas Alberto Fernández e Cristina Kirchner. Entre outras insatisfações está o isolamento social, o mais longo da América Latina. O movimento foi convocado pelas redes sociais, com as hashtags #13STodosALasCalles, #13SPorLaRepublica e #13SJuntosContraLaIMPUNIDAD. Na capital, Buenos Aires, houve duas mobilizações, uma maior, ao redor do Obelisco, na Avenida 9 de Julio, a principal da cidade, e a outra, menor, diante da residência oficial de Olivos, onde vive o presidente Fernández. Os principais gritos de guerra foram “todos pela República”, “Todos pela liberdade”, “Fora, Cristina”.

Leia também: “Popularidade do presidente da Argentina despenca”

O presidente Fernández decretou confinamento obrigatório em 20 de março. Contudo, na contramão de outros países, a medida segue vigente. Ainda assim, a pandemia não cedeu no país. Os manifestantes também reclamam da libertação de 4,5 mil detentos, da reforma do Judiciário, do estado da economia, que vem sentindo os efeitos do isolamento, e do aumento do desemprego e da pobreza. Além disso, não há um plano para a retomada pós-covid-19, segundo declarou a oposição no domingo. Recentemente, até a polícia se mobilizou contra o governo de esquerda. Os agentes pediram melhores condições salariais e dignas de trabalho. Em momento de tensão, os policiais cercaram a casa do presidente da República.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Tragedia prevista!!!!

    Responder
  2. Os argentinos tão protestando conta o que???

    Responder
  3. Já está claro que isolamento não impede contaminação. E onde foi liberado , como no Brasil, os números estão em queda. A fase da histeria tem que acabar. Mas a esquerda abraçou o atraso, a quarentena perpétua, uma falsa ciência . Espero que os argentinos consigam seu intento e parem de confiar tanto na esquerda, que já empobreceu a nação violentamente. Chega também de peronismo, não é mesmo, Los Hermanos?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês