Doria quer começar vacinação em SP em 15 de dezembro - Revista Oeste

Edição da semana

Em 30 set 2020, 15:43

Doria quer começar vacinação em SP em 15 de dezembro

30 set 2020, 15:43

Primeira etapa será para profissionais de unidades públicas e privadas de saúde

Doria

Governador de São Paulo, João Doria [no centro], diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e vice-presidente mundial da Sinovac, Weining Meng
Foto: Governo do Estado de SP

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), quer começar a vacinar profissionais de saúde contra a covid-19 em 15 de dezembro.

Para que isso ocorra, no entanto, a vacina chinesa CoronaVac precisa passar na fase de teste em voluntários e ser aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Leia mais: “Governador de SC teria autorizado compra de respiradores a R$ 165 mil cada um”

Nesta quarta-feira, 30, o tucano assinou um termo de compromisso para fornecimento de 46 milhões de doses da Coronavac ao Estado de São Paulo até dezembro no valor de US$ 90 milhões — cerca de R$ 507 milhões.

O potencial imunizante contra o coronavírus é desenvolvido em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao governo do Estado.

Doria também afirmou que já há um entendimento verbal entre a direção do Butantan e a empresa farmacêutica chinesa Sinovac para que outros 14 milhões de doses da vacina sejam fornecidos em fevereiro de 2021.

O contrato também formaliza a transferência de tecnologia para produção da vacina pelo Butantan. Até dezembro, a farmacêutica vai enviar 6 milhões de doses da vacina já pronta, enquanto outros 40 milhões serão formulados e envasados em São Paulo.

Ministério da Saúde

Segundo Doria, a responsabilidade de pagamento é do governo do Estado caso o Ministério da Saúde decida não “estar alinhado” com a aplicação do imunizante.

O tucano disse que o Estado tem trabalhado nesse acordo com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e que ele tem sido “positivo, republicano e dado um tratamento técnico à questão da vacina sem nenhum viés ideológico ou político”.

Com informações do Estadão Conteúdo

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Poderiam começar vacinando o Governador. Publicamente.

    Responder
  2. tem que prender esse vagabundo logo, antes que ele SUPERFATURE esta vacina da China sem eficácia comprovada, só para fazer política e roubar.

    Responder
  3. Devia começar por esse vagabundo!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês