França levará dois anos para se recuperar economicamente da pandemia

Edição da semana

Em 9 jun 2020, 16:11

Economia da França levará dois anos para se recuperar da pandemia

9 jun 2020, 16:11

É mais um resultado da crise provocada em decorrência do novo coronavírus

banco da frança - economia - pandemia

Banco da França prevê recuperação plena da economia em 2022 | Foto: DIVULGAÇÃO

Apesar de pertencer ao grupo das sete nações mais ricas do mundo, o G7, a França terá um longo caminho de recuperação econômica no pós-pandemia. De acordo com o Banco da França, o país só irá voltar em 2022 ao patamar em que estava antes da crise causada pela disseminação do novo coronavírus.

Leia mais:Presidente do Banco do Brasil defende privatizar a instituição

“A economia francesa está se recuperando rapidamente da queda brutal sofrida em março, mas não saímos em absoluto do túnel”, afirmou o presidente do Banco da França, François Villeroy de Galhau. Conforme informa a agência de notícias AFP, ele foi entrevistado pela emissora de rádio France Info.

Além de prevê a recuperação da economia somente daqui dois anos, o Banco da França estima que o Produto Interno Bruto (PIB) do país europeu encerrá 2020 com forte retração. De acordo com a perspectiva da instituição financeira, a queda será de 10%. Dado que poderia ser pior. Afinal, a entidade fala que o segundo trimestre do ano registrará retrocesso de 15% do PIB.

“Anos de recuperação progressiva”

Posteriormente, depois de enfrentar meses de confinamento, o país irá se recuperar. Ao menos é o que pensa o próprio Banco da França. “Depois, 2021 e 2022 serão anos de recuperação progressiva”, pontua, no momento, a instituição financeira.

Convivendo com o vírus

O Banco da França avisa que as estimativas econômicas se baseiam na possibilidade de a pandemia mundial ser superada ao decorrer dos próximos meses, mas que isso não significará o fim por completo do novo coronavírus. Dessa forma, a entidade calcula que o PIB francês avançará 7% em 2021 e mais 4% em 2022.

Com a economia se adaptando às novas medidas a serem adotadas por causa da covid-19, a França retornará ao nível “de atividade do final de 2019” somente em “meados de 2022”.

Controle sobre a doença

Enquanto o Banco da França faz projeções econômicas, o conselho científico do país foi responsável por uma boa notícia na última semana. Conforme registrou Oeste, o conselheiro Jean-François Delfraissy avisou que a covid-19 estava sob controle em território francês.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês