Bitcoin cai 10% após China aumentar repressão a operações com criptomoedas

Pequim quer cortar todas as transações relacionadas ao bitcoin
-Publicidade-
China: intensificação da campanha contra criptomoedas
China: intensificação da campanha contra criptomoedas | Foto: Divulgação/Unsplash

Em meio à intensificação da repressão às criptomoedas na China, o bitcoin teve sua maior queda no período de duas semanas. A moeda virtual caiu 10%, a partir das 8h50 em Nova York, passando para US$ 32.350. Já o ether registrou baixa de 13%, indo para para US$ 1.950, noticiou o site 6 Minutos, do portal UOL.

Nesta segunda-feira 21, o banco central chinês afirmou que havia chamado o Banco Agrícola da China, o China Construction Bank e o ICBC, bem como plataformas de pagamento, como a Alipay, para discutir o problema da “prestação de serviços para especulação de transações em criptomoeda”, reportou o jornal Financial Times. O regulador pediu aos grupos financeiros que identificassem e bloqueassem todas as transferências para contas mantidas pelas bolsas de câmbio de criptomoedas e outros intermediários offshore, bem como que realizassem investimentos em tecnologia para encontrar transações ligadas à “especulação de criptomoedas”.

A ordem faz parte de uma repressão do governo chinês às criptomoedas iniciada em maio, enquanto Pequim busca acabar com as negociações e encerrar as maiores operações de mineração criptográfica do mundo, que se encontram dentro das fronteiras do país.

-Publicidade-

Leia também: “Repressão da China gera ‘migração mineradora’ de bitcoin para o Texas”

Segundo o Banco Popular da China, o comércio de criptomoedas perturba o sistema financeiro, gera o risco de lavagem de dinheiro e de transferências ilegais de ativos transfronteiriços e ainda “infringe seriamente a segurança dos ativos financeiros das pessoas”, noticiou o jornal Financial Times.

As autoridades chinesas deram os primeiros passos para proibir os bancos de lidar com transações de bitcoin ainda em 2013, mas não conseguiram eliminar o comércio de criptomoedas completamente. O banco central quer que os cidadãos usem sua própria moeda digital, que está sendo testada em larga escala.

A China, como parte de um rigoroso regime de controle de capital, limita drasticamente a capacidade dos cidadãos de transferir dinheiro para fora do país, e tem observado o bitcoin com cautela, desde o aumento da popularidade da criptomoeda há quase uma década.

Leia também: “Banco Mundial rejeita pedido de El Salvador para ajudar a implementar bitcoin

Com informações do site 6 Minutos e do jornal Financial Times

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site