Black Friday: e-commerce cresce 5% e vendas chegam a R$ 4 bilhões

Os jovens de 26 a 35 anos se mantiveram na liderança de maiores compradores no mercado eletrônico
-Publicidade-
No varejo físico, o crescimento foi mais tímido, de apenas 2%
No varejo físico, o crescimento foi mais tímido, de apenas 2% | Foto: Renato Cerqueira/Estadão Conteúdo

A Black Friday se consolidou como a data mais importante para o varejo brasileiro, superando até o Natal.

As vendas no dia 26 de novembro totalizaram R$ 4,2 bilhões no e-commerce, um crescimento de 5%, de acordo com o balanço da consultoria Ebit/Nielsen.

Os números de novos pedidos caíram 9%, para 5,6 milhões. No entanto, o tíquete médio das compras digitais subiu 16%, em comparação ao ano passado. O brasileiro gastou, em média, R$ 753.

-Publicidade-

No entanto, neste ano, o consumidor parcelou mais as compras. Houve um crescimento na forma de pagamento em 10 vezes, mais que o registrado na Black Friday de 2020.

Os itens mais vendidos foram: moda e acessórios, beleza e perfumaria, eletrodomésticos e celulares, conforme o levantamento da NeoTrust, que acompanha os dados do mercado on-line.

Região Sul registrou maior faturamento

Segundo o índice da Cielo, líder de processamento de pagamentos com cartões, as vendas no varejo físico tiveram um crescimento de apenas 2%.

O setor que teve o maior avanço no faturamento nominal foi o de turismo e transporte. A alta foi de 54% sobre o mesmo período de 2020. A maior queda foi registrada em materiais para construção, de 9%.

A Região Sul foi que a teve o crescimento mais expressivo no faturamento nominal na Black Friday, com alta de 8,5% sobre 2020, de acordo com o índice.

Considerando o período de 25 e 26 de novembro da Black Friday de 2021, o varejo total teve crescimento de quase 8% no faturamento nominal, em comparação com 2020 (dias 26 e 27 de novembro).

Os jovens de 26 a 35 anos se mantiveram na liderança de maiores compradores no e-commerce, responsáveis por 35% das compras pela internet. Neste ano, os adultos com mais de 51 anos tiveram uma participação mais expressiva, respondendo por 15% das vendas.

 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. O comércio brasileiro sabe o que é a Black Friday. Mas usa o nome para outra coisa. Todos os preços são majorados antes. Neste ano, então, com fraudemia e tudo estavam elevando os preços desde o final de 2020. O povo está pagando a conta de todas as boas ideias de prefeitos, governadores e stf. O comércio, na black friday, só continuou a exploração do pobre.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.