Brasil tem a sexta menor inflação entre países do G20

Número é mais baixo que o verificado em potências mundiais, como EUA, França, Alemanha e Reino Unido
-Publicidade-
Grandes potências estão com inflação mais alta que a do Brasil
Grandes potências estão com inflação mais alta que a do Brasil | Foto: Divulgação/Josh Appel

A agência classificadora Austin Rating informou que o Brasil tem a sexta menor inflação em 2022, num grupo de 22 integrantes do G20. O número é menor que o verificado em grandes potências mundiais, como Estados Unidos, França, Alemanha e Reino Unido.  

Nos últimos 12 meses, o índice brasileiro oficial de preços acumulou uma alta de 5,9%. O resultado é abaixo dos 6,8% observados no ano anterior, segundo relatório divulgado nesta sexta-feira, 9, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  

O Brasil registrou deflação — queda de preços — por três meses seguidos, o que ajudou a segurar a alta do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país. Em julho, a taxa no acumulado do ano era de 5,5%. Recuou para pouco mais 4%, depois da sequência de resultados negativos.

-Publicidade-

O cenário favorável do Brasil, em relação a países desenvolvidos, surge em meio a recordes de inflação na União Europeia. Os efeitos da crise levaram os economistas a preverem que a Zona do Euro entrará em recessão neste ano, enquanto as empresas têm mostrado sinais de pessimismo sobre as perspectivas.

Inflação desacelera

O mês de novembro registrou uma inflação de 0,41%, segundo o IPCA divulgado nesta sexta-feira. O resultado mostra uma desaceleração, em comparação com o número registrado em outubro — o IPCA foi de 0,59%, e também foi menor do que as previsões feitas no IPCA-15 para novembro, que registrou inflação de 0,53%.

O maior impacto para o resultado foi no setor de transportes, que teve alta de 0,83%, em razão do preço dos combustíveis. No geral, o aumento nos combustíveis foi de 3,3%, ao contrário do que foi registrado em outubro. Em novembro, o etanol subiu 7,5%; a gasolina, 3%; o óleo diesel, 0,11%; e o gás veicular (GNV) teve queda de 1,77%.

Alimentação e bebidas tiveram maior influência no índice, com alta de 0,5%. A cebola teve uma alta de 23%, e o tomate, de quase 16%. Já o leite longa vida caiu pouco mais de 7%.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, sete tiveram alta em novembro:

  • Vestuário: 1,1%
  • Transportes: 0,8%
  • Alimentação e bebidas: 0,5%
  • Habitação: 0,5%
  • Despesas pessoais: 0,2%
  • Educação: 0,02%
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,02%
  • Comunicação: -0,14%
  • Artigos de residência: -0,7%
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.