Coronavoucher foi único sustento de 4,4 milhões de lares em julho

Nos domicílios mais pobres, rendimentos chegaram a ser 124% do seriam normalmente, mostra pesquisa divulgada pelo Ipea.
-Publicidade-
<i>Coronavoucher</i> foi única fonte de renda de mais de 4,4 milhões de lares em julho | Foto: PxHere
Coronavoucher foi única fonte de renda de mais de 4,4 milhões de lares em julho | Foto: PxHere | coronavoucher, julho, auxílio emergencial, ipea, pesquisa, renda, governo federal

Nos domicílios mais pobres, rendimentos chegaram a ser 124% do seriam normalmente, mostra pesquisa divulgada pelo Ipea

coronavoucher, julho, auxílio emergencial, ipea, pesquisa, renda, governo federal
Coronavoucher foi única fonte de renda de mais de 4,4 milhões de lares em julho | Foto: PxHere

Mais de 4,4 milhões (6,5%) de domicílios brasileiros sobreviveram, em julho, apenas com a renda do auxílio emergencial — popularmente conhecido como coronavoucher — pago pelo governo federal para enfrentar os efeitos econômicos da pandemia. Entre os domicílios mais pobres, os rendimentos atingiram 124% do que seriam com as rendas habituais, mostra estudo publicado nesta quinta-feira, 27, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

-Publicidade-

A ajuda financeira também foi suficiente para superar em 16% a perda da massa salarial entre as pessoas que permaneceram ocupadas, segundo a análise que usa como base os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Covid-19 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Pela primeira vez, desde o início da pandemia, o auxílio emergencial compensa em média mais que a diferença entre a renda efetiva e a habitual. Ou seja, entre os que permaneceram empregados, a renda média com o auxílio já é maior do que seria habitualmente”, afirmou, em nota, o economista Sandro Sacchet, autor da pesquisa intitulada “Os efeitos da pandemia sobre os rendimentos do trabalho e o impacto do auxílio emergencial: os resultados dos microdados da PNAD Covid-19 de julho.”

De acordo com o o estudo, em geral, os trabalhadores receberam em julho 87% dos rendimentos habituais (4 pontos percentuais acima do mês anterior) – R$ 2.070 em média, contra uma renda habitual de R$ 2.377. A recuperação foi maior entre os trabalhadores por conta própria que receberam em julho 72% do que normalmente recebiam, contra 63% em junho, alcançando rendimentos efetivos médios de R$ 1.376.

Já os trabalhadores do setor privado sem carteira assinada receberam em julho 85% do habitual (contra 79% no mês anterior). Trabalhadores do setor privado com carteira e funcionários públicos continuaram a obter, em média, mais de 90% do rendimento habitual.

Com informações da Agência Brasil

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.