Covid-19: União Química fecha acordo com farmacêutica russa para produção de nova vacina

Acordo engloba importação de insulina e do imunizante EpiVacCorona e transferência de tecnologia
-Publicidade-
União Química: acordo com Geropharm sobre insulina e vacina EpiVacCorona
União Química: acordo com Geropharm sobre insulina e vacina EpiVacCorona | Foto: Divulgação/União Química

A União Química realizou um acordo de cooperação técnica com a farmacêutica russa Geropharm para a produção de insulina e de uma outra vacina contra a covid-19, a EpiVacCorona.

De acordo com o presidente do laboratório brasileiro, Fernando de Castro Marques, a intenção da companhia é começar com a importação da vacina e depois a transferência de tecnologia. O próximo passo, de acordo com uma reportagem do jornal Valor Econômico, é articular a parte regulatória, para trazer o imunizante ao mercado brasileiro, junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

-Publicidade-

“Esse projeto é para o próximo ano. Temos seis meses para entrar com o pedido de registro usando os resultados dos estudos feitos na Rússia. Se analisarmos a legislação brasileira, a agência russa é considerada de primeiro mundo, como as do Estados Unidos e Europa. Acredito que será mais fácil do que a Sputnik V”, afirmou Castro Marques.

Leia também: “União Química conclui 1º lote da Sputnik V e vai exportar para outros países”

Para ele, o fato da vacina ter sido desenvolvida por uma empresa privada facilitaria a obtenção de documentos para a aprovação na Anvisa. “É uma negociação de empresa para empresa. Assim que tivermos a permissão para trazer ao mercado brasileiro o imunizante vamos estruturar a operação. Primeiro vamos fazer somente o envase no país e depois partimos para a produção”, disse o presidente da União Química.

No caso da insulina, o acordo também prevê a importação e depois a fabricação no Brasil, segundo o executivo, que estima que ela esteja no mercado ainda este ano. O investimento para ampliação da capacidade de produção e nacionalização de ambos os produtos deverá ser de R$ 300 milhões a R$ 400 milhões, de acordo com Castro Marques.

Leia também: “Anvisa aprova importação das vacinas Covaxin e Sputnik V”

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site