Depois de críticas de Lula, Campos Neto defende autonomia do BC

Presidente do Banco Central disse que independência da instituição é fundamental para economia
-Publicidade-
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto: 'Falta de autonomia seria outro elemento de incerteza na economia' | Foto: Agência Brasil
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto: 'Falta de autonomia seria outro elemento de incerteza na economia' | Foto: Agência Brasil

Um dia depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) dizer que a autonomia do Banco Central é uma “bobagem”, o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, afirmou que, sem a autonomia, haveria mais incerteza e a economia estaria pior, considerando o cenário político-eleitoral do país.

“Quando você pensa no que está acontecendo no Brasil e quão difícil foi o processo da eleição no Brasil, acho que o mercado estaria bem mais volátil se o Banco Central não tivesse a autonomia na lei. Seria outro elemento de incerteza”, declarou Campos Neto, na quinta-feira 19, em um seminário promovido por uma universidade norte-americana.

As declarações de Lula foram dadas em entrevista à GloboNews na noite de quarta-feira 18. Ele também afirmou que a autonomia não impediu inflação e juros altos e criticou a meta de inflação, muito baixa, na avaliação do presidente.

-Publicidade-

Na palestra, Campos Neto, que tem mandato até o fim de 2024, contemporizou as declarações de Lula, afirmando que deveriam ser vistas sob um olhar mais amplo, da necessidade de a independência existir sob a lei. “Se você olha a entrevista, de um lado, ele se orgulha por [Henrique] Meirelles [ex-presidente do BC] ter tido independência. De outro lado, o que acho que ele quis dizer foi ‘eu não acho que precisamos ter a independência na lei, pode ter a independência sem a lei e fazer as coisas funcionarem’”, disse.

Na tarde de quinta-feira, o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, negou a intenção do governo de mudar o status do BC. Em postagem nas redes sociais, escreveu que “o presidente [Lula] não vai mudar de postura agora, ainda mais com uma lei que estabelece regras nesse sentido”.

Sobre a taxa de juros, criticada por Lula, Campos Neto reconheceu que a Selic, em 13,75%, está elevada, mas explicou que um corte no curto prazo pouco ajudaria o país a atrair investimentos. “Entendemos que nossa taxa de juros está alta, mas não manejamos curva futura, só a meta da Selic. Não ajudaria em nada cortar o juro de curto prazo, porque os investimentos usam taxas de longo prazo”, declarou.

Quanto à inflação, que fechou 2022 em 5,79%, o presidente do BC disse que, se não fossem os cortes de impostos sobre combustíveis e energia elétrica, medidas adotadas pelo governo em meados do ano passado, a inflação teria fechado em 2022 em 9%. “A inflação [oficial pelo IPCA] estaria em 9%, e não em 5,8%, se não fosse essa redução de impostos”, afirmou.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Vocês estão na bolsa AINDA!?
    Essses 100 bilhões de dólares estrangeiros que vocês iludidos acham que é confiança…
    Não verdade é o miolo de pão na superfície do lago….para atrair tilápias ou sardinhas kkkkk
    Circuit Break à vista!
    Hecatombe na bolsa é inexorável ….vAMOS fazer os estrangeiros perder esses “miolo de pão?!
    Se o prejuízo for pouco…Vendam e comprem dólares
    Se o prejuízo for médio ou grande… encarteirem
    E PAREM de operar na Bolsa.
    PAREM de consumir também…PAREM de gerar impostos…em 6 meses nos livramos dos ladroes incompetentes.
    Quem frauda não leva. Sem anistia aos fraudadores! 29/03

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.