-Publicidade-

Americanos e britânicos economizam mais na pandemia

Os consumidores foram parcimoniosos no confinamento social nos Estados Unidos e no Reino Unido, mas até quando isso vai durar?
Parcimônia foi a palavra durante a pandemia para americanos e britânicos | Foto: Petr Kratochvil/PublicDomainPictures
Parcimônia foi a palavra durante a pandemia para americanos e britânicos | Foto: Petr Kratochvil/PublicDomainPictures | economia doméstica, estados unidos, reino unido, pandemia, coronavírus

Os consumidores foram parcimoniosos no confinamento social nos Estados Unidos e no Reino Unido, mas até quando isso vai durar?

economia doméstica, estados unidos, reino unido, pandemia, coronavírus
Parcimônia foi a palavra durante a pandemia para americanos e britânicos | Foto: Petr Kratochvil/PublicDomainPictures

 

Na terra de Donald Trump, os cheques de auxílio — coronavoucher à americana —  chegaram ao correio em abril, contribuindo para um aumento de 10,5% na renda. Mas os cadadãos gastaram um terço de sua renda, a maior taxa de poupança de todos os tempos.

As pessoas pareciam igualmente econômicas na Grã-Bretanha, onde a quantidade de dinheiro armazenada em depósitos bancários aumentou £ 16,2 bilhões em abril, em comparação com um aumento mensal médio de £ 5 bilhões nos seis meses até fevereiro.

Com lojas e restaurantes fechados, alguns consumidores provavelmente tiveram poucas chances de gastar. Outros podem ter fechado o zíper das carteiras após uma dispensa temporária ou até permanente. O colapso da demanda provavelmente diminuiu a taxa de inflação. Os números das manchetes caíram, em grande parte por causa da queda no preço do petróleo no início do ano, que foi repassada aos preços nas bombas de gasolina. Mas mesmo depois de excluir energia e alimentos, os preços ao consumidor caíram nos Estados Unidos e no Japão.

A forma da recuperação econômica depende se o aumento da poupança dura. Muitos consumidores terão motivos para gastar dinheiro. Quando os bloqueios terminarem, compradores e clientes se aventurarão novamente. Mais pessoas começarão a voltar ao trabalho: de fato, de acordo com dados publicados em 5 de junho, a taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu em maio. Os trabalhadores de licença que retornam aos seus locais de trabalho podem ter menos motivos para guardar dinheiro. No entanto, alguns podem permanecer cautelosos, porque ainda estão desempregados ou porque temem que as perspectivas para a economia ainda sejam incertas. Essa cautela, por sua vez, pode significar que a atividade econômica e a inflação ainda não retornaram totalmente aos dias pré-pandêmicos.

Com informação da The Economist.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. O americano dá muito valor ao seu dinheiro. É cultural. Por aqui, acho que o povo vai sair gastando como se não houvesse amanhã. As dívidas vão se multiplicar.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês