Embraer fecha 1º trimestre com prejuízo de R$ 170 milhões

Fabricante de aeronaves encerrou o período com dívida total de R$ 16,8 bilhões, com queda em relação a 2021
-Publicidade-
Embraer apresenta balanço de um primeiro trimestre desafiador
Embraer apresenta balanço de um primeiro trimestre desafiador | Foto: Embraer/Divulgação

A Embraer divulgou nesta quinta-feira, 28, os resultados do primeiro trimestre de 2022, indicando um prejuízo líquido atribuído aos acionistas de R$ 170 milhões.

Este resultado equivale a uma queda de 65% em relação ao mesmo período de 2021, quando a fabricante brasileira de aeronaves teve prejuízo de R$ 489 milhões.

Já a receita líquida ficou em torno de R$ 3 bilhões no trimestre, queda de 31%, comparado com o mesmo período de 2021.

-Publicidade-

A companhia encerrou o trimestre com dívida total de R$ 16,8 bilhões, o que representa queda de R$ 5,6 bilhões, na comparação com o mesmo período de 2021, em linha com a estratégia de melhoria da estrutura de capital.

Segundo o relatório sobre o primeiro trimestre do ano, a empresa entregou 14 jatos no período, dos quais seis aeronaves comerciais e oito jatos executivos (seis leves e dois médios).

A empresa argumenta no documento que o período foi marcado pela sazonalidade do setor, pela cadeia de suprimentos e por paralisação do sistema produtivo no mês de janeiro.

“As entregas no trimestre foram impactadas negativamente pelo período de um mês de paralisação da companhia, em janeiro de 2022, devido à reintegração da unidade de negócio de Aviação Comercial”, diz o comunicado da Embraer.

Leia também: Ozires Silva: o homem que convenceu um presidente de que o Brasil precisava fabricar aviões, entrevista publicada em Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Comparando os prejuízos de dois anos seguidos no mesmo período, desconsiderando fatores como a pandemia, por exemplo, percebe-se que houve uma QUEDA NO PREJUÍZO, o que é um bom sinal, né não? Além disso, nehum fabricante de aeronaves no mundo faz investimentos esperando retorno em um ou dois anos. Entre esboçar, construir, testar e vender um avião de médio porte demora alguns anos. (me baseei em https://engenhariaaeronautica.com.br).

  2. Putz! Sempre viajo nos aviões da Embraer pela azul, passam uma segurança enorme nos voos, pelas decolagens/aterrissagens, estabilidade durante o voo, conforto a bordo, etc. Mas parece que o pessoal do financeiro/administrativo não sabem mais usar uma simples planilha Excel … vendem muito, pelo menos anunciam, e nunca tem lucros, algo está errado!!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.