‘Estamos pagando essa conta até hoje’, diz presidente do BNDES sobre empréstimos

Para Gustavo Montezano, política impulsionada durante governos de Lula e Dilma foi 'atentado' contra economia brasileira
-Publicidade-
Gustavo Montezano, presidente do BNDES, participou do <i>Opinião no Ar</i>, da RedeTV!
Gustavo Montezano, presidente do BNDES, participou do Opinião no Ar, da RedeTV! | Foto: Reprodução/YouTube

Em entrevista ao programa Opinião no Ar, da RedeTV!, nesta segunda-feira, 13, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, admitiu que a instituição ainda sofre com os impactos dos empréstimos para empresas e outros países feitos nas últimas décadas, em especial durante os governos petistas de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Montezano afirmou que essas operações já foram investigadas e “nada de ilegal” foi encontrado no BNDES. Segundo ele, o banco apenas executou políticas públicas definidas por governos anteriores e aprovadas no Congresso Nacional.

Leia mais: “Calote de Cuba e Venezuela no BNDES chega a R$ 3,5 bilhões”

-Publicidade-

“É algo complexo, é difícil de entender. Se somar os empréstimos apenas para JBS e Odebrecht, a gente fala em R$ 90 bilhões. Há um calote de US$ 1,5 bilhão de Venezuela, Cuba e Moçambique”, apontou Montezano. “No final, a Justiça investigou isso de trás para frente e nada de ilegal foi encontrado no BNDES até hoje. O banco, em termos operacionais e de execução da política pública, foi coerente.”

Leia também: “O banco da mãe Joana”, artigo de Augusto Nunes publicado na Edição 72 da Revista Oeste

Para o presidente do BNDES, não é possível falar em “caixa-preta” do banco, que, sob sua gestão, tem se empenhado em tornar os dados transparentes. “Se a gente fizer uma estimativa de quanto custou essa política pública de 2009 a 2018, passou de R$ 200 bilhões. Inflou o balanço do Brasil, o país literalmente quebrou e foi feito um péssimo uso de parte desses recursos por grupos econômicos. Há delações premiadas para contar o que aconteceu”, disse Montezano. “Não é o BNDES que paga essa conta. Somos todos nós que estamos dividindo essa fatura.”

“O banco sai como vilão, mas ele estava executando uma política pública. Como brasileiros, temos de nos questionar como deixamos aquilo acontecer.”

Montezano classificou a política de empréstimos via BNDES durante os 13 anos de governos do PT como “um atentado contra a nossa economia”. “Estamos pagando essa conta até hoje”, afirmou. 

Leia mais: “BNDES lança ‘rede social’ da infraestrutura”

O presidente do BNDES disse ainda que, desde 2019, o banco vem analisando detalhadamente todas as operações feitas em gestões anteriores. “São casos complexos, operações sofisticadas que envolvem um arcabouço de legislação muito mais amplo do que simplesmente o BNDES”, apontou. “A boa notícia é que conseguimos fazer essa explicação ao longo desses dois anos. Hoje, a situação é mais bem compreendida pela classe política e pelo cidadão comum.”

Leia também: “BNDES anuncia redução de juros para empresas com desempenho ambiental e social”

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro