-Publicidade-

Expectativa de inflação pelos consumidores vai a mínimo histórico

Em agosto, maioria dos consumidores ouvidos pela FGV previu inflação de 4,3% para os próximos 12 meses.
Lockdown marca Semana Mundial do Consumidor | Foto: João Geraldo Borges Junior/Pixabay
Lockdown marca Semana Mundial do Consumidor | Foto: João Geraldo Borges Junior/Pixabay

Em agosto, maioria dos consumidores ouvidos pela FGV previu inflação de 4,3% para os próximos 12 meses

inflação, consumidores, fgv, previsão
Consumidores fazem menor previsão de inflação da história
Foto: João Geraldo Borges Junior/Pixabay

Em agosto, a expectativa de inflação dos consumidores para os próximos 12 meses ficou em 4,3%, um mínimo histórico após queda de 0,2 ponto percentual. Na comparação com agosto de 2019, a queda foi de 0,8 ponto percentual. 

O indicador foi divulgado nesta sexta-feira, 21, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). O máximo histórico do índice foi atingido em fevereiro de 2016: 11,4%.

De acordo com a economista Renata de Mello Franco, do IBGE, a queda na expectativa ocorreu mesmo com o aumento dos preços percebidos na gasolina e na energia elétrica.

“Apesar da pressão de alguns preços em agosto, como gasolina e energia elétrica, os consumidores continuam otimistas em relação às perspectivas de inflação para os próximos doze meses”, analisou.

Inflação abaixo da meta

O levantamento apontou que 57,5% dos consumidores previram valores para a inflação abaixo da meta do governo para 2020, que é de 4%. Já a proporção de consumidores que projetaram o valor acima do limite superior da meta, de 5,5%, diminuiu 1,8 ponto percentual, de 30,1% para 28,3%.

Por faixa de renda, a expectativa foi mais reduzida entre os consumidores de menor poder aquisitivo, com a maior variação observada nas famílias com renda entre R$ 2,1 mil e R$ 4,8 mil. Nesta faixa, a expectativa de inflação para os próximos 12 meses caiu 0,4 ponto percentual, passando de 5,3% em julho para 4,9%.

Para as famílias com renda superior a R$ 9,6 mil, a queda foi de 0,1 ponto percentual, ficando em 3,5%.

Com informações da Agência Brasil

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês