Impostômetro: brasileiros já pagaram mais de R$ 1 trilhão aos governos em 2022

Carga tributária brasileira gira em cerca de um terço do PIB
-Publicidade-
O valor de R$ 1 trilhão foi alcançado nesta terça-feira, 3
O valor de R$ 1 trilhão foi alcançado nesta terça-feira, 3 | Foto: Reprodução/Flickr

Mantido pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), o Impostômetro calcula o valor pago pelos brasileiros em impostos, taxas, multas e contribuições para União, Estados e municípios. De acordo com o painel, a marca de R$ 1 trilhão arrecadados foi atingida nesta terça-feira, 3.

Foto: Impostômetro | Reprodução/ACSP

Em 2021, o resultado de R$ 1 trilhão no Impostômetro foi alcançado 16 dias mais tarde, em 19 de maio. O montante foi atingido no dia 27 de junho, em 2020; em 24 maio, em 2019; e em 3 de junho, em 2018.

-Publicidade-

De acordo com o portal R7, Marcel Solimeo, economista da ACSP, afirma que o grande vilão para o aumento é a inflação. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a alta dos preço passou de 11% no acumulado de 12 meses, até março.

“Quanto maior o preço, maior o imposto embutido”, explica Solimeo. “Alguns itens estão extremamente tributados, como o caso dos combustíveis e da energia elétrica.”

Além do Impostômetro

A carga tributária brasileira gira em torno de um terço do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Conforme os dados oficiais calculados pelo Tesouro Nacional, em 2021 a fatia das riquezas consumida com tributos ficou em 33,9% — recorde da série histórica, iniciada em 2010.

No ano passado, o valor arrecadado somou praticamente R$ 3 trilhões. Ou seja: quase R$ 600 bilhões a mais que em 2020. A União concentra a maior parte proporção dos tributos sobre o PIB, cerca de 20%, enquanto os Estados aparecem na segunda posição (próximo de 10%) e o restante (em torno de 2%) vai para as prefeituras.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Infelizmente é isso… Os governadores e prefeitos ainda conseguiram piorar o que já estava ruim. Aqui tomei um susto com a conta de luz. O consumo foi menor do que o de costume, temos cortado vários itens para reduzir a energia, além de ficar praticamente no escuro. Acendendo a luz quando necessário, máquina apenas uma vez na semana. Conseguimos reduzir bastante o consumo, para nossa surpresa a cobrança veio bem maior que os meses anteriores… Muita preguiça. Sem contar, que no supermercado, uma pequena compra de 389,00 o desconto de impostos deste valor foi de 110,00. Aqui no Rio de Janeiro.

  2. Infelizmente é isso… Os governadores e prefeitos ainda conseguiram piorar o que já estava ruim. Aqui tomei um susto com a conta de luz. O consumo foi menor do que o de costume, temos cortado vários itens para reduzir a energia, além de ficar praticamente no escuro. Acendendo a luz quando necessário, máquina apenas uma vez na semana. Conseguimos reduzir bastante o consumo, para nossa surpresa a cobrança veio bem maior que os meses anteriores… Muita preguiça. Sem contar, que no supermercado, uma pequena compra de 389,00 o desconto de impostos deste valor foi de 110,00. Aqui no Rio de Janeiro. Ainda saio do Brasil.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.