J.R. Guzzo: ‘Não são os empresários que constroem a miséria’

Não são eles os promotores da desigualdade em estado extremo no país
-Publicidade-
STF - Supremo Tribunal Federal
STF - Supremo Tribunal Federal

Não são eles os promotores da desigualdade em estado extremo no país

Em seu mais recente artigo publicado no jornal O Estado de S.Paulo, o colunista de Oeste J.R. Guzzo reflete acerca da existência de “dois Brasis”: o das instituições, que prospera e manda em tudo, e aquele onde você e eu moramos, o que paga a conta.

“Só um país move essa guerra; o outro, sem defesa, apenas sofre as misérias que vêm dela. Basicamente, o país agressor é o Brasil onde habitam, prosperam e mandam os membros das nossas “instituições”. O país agredido é aquele onde você, e cerca de 200 outros milhões de brasileiros, têm de trabalhar todos os dias para viver”, observa Guzzo.

-Publicidade-

Segundo ele, antes da epidemia de coronavírus que trouxe prejuízos para a economia e para a saúde das pessoas, a projeção para os impostos arrecadados era R$ 3,4 trilhões. O dinheiro, é claro, seria utilizado para manter toda a estrutura obesa e mórbida do Estado brasileiro.

Com todos os privilégios que já têm, por que não pagam eles mesmos esses trocados?

Guzzo aponta para o Judiciário — cujos privilégios lembram a corte de Luis XIV, o “rei Sol”. Recentemente, conforme noticiou Oeste com exclusividade, o Supremo Tribunal Federal encomendou, a um custo de R$ 140 mil,  cerca de 4.000 vacinas contra a gripe e o coronavírus — quem paga, portanto, é você.

“Com todos os privilégios que já têm, por que não pagam eles mesmos esses trocados? A resposta é um retrato perfeito dos dois Brasis descritos acima: não pagam porque podem meter a mão no seu bolso, de onde sai o dinheiro de todos os impostos, e tirar o dinheiro de lá”, afirma Guzzo.

Em momentos de crise, como a do coronavírus, o colunista lembra, por exemplo, que são muitos os parlamentares do Congresso Nacional que não querem abrir mão dos fundos partidário e eleitoral (ambos acumulam R$ 3 bilhões) para ajudar na luta contra a doença.

“Não são os ‘ricos’, os ‘empresários’, ‘o 1% do topo’, etc. que constroem a miséria nossa de cada dia. Não são eles os promotores da desigualdade em estado extremo no país. Não são eles que os impõem a ditadura dos privilégios. É essa gente que não admite, sequer, pagar a própria vacina”, conclui.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.