Magazine Luiza fecha 1º trimestre com prejuízo de R$ 161,3 milhões

Grupo varejista, no entanto, celebrou crescimento de 50% nas vendas pela plataforma de comércio eletrônico
-Publicidade-
Magazine Luiza aponta aumento de 50% de vendas somente na plataforma de 'marketplace'
Magazine Luiza aponta aumento de 50% de vendas somente na plataforma de 'marketplace' | Foto: Reprodução

O Magazine Luiza anunciou aos investidores na segunda-feira 16 os resultados do primeiro trimestre de 2022. O comunicado ao mercado apresentou prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões, em razão do aumento de despesas financeiras no período, segundo o grupo de varejo.

Dessa forma, o Magazine Luiza fica distante do resultado alcançado no mesmo período de 2021, quando havia obtido lucro líquido de R$ 258,6 milhões.

De acordo com o balanço do trimestre, as despesas financeiras aumentaram em 148% no período. O prejuízo líquido ajustado, desconsiderando efeitos não recorrentes, foi de R$ 98,8 milhões, em comparação com o resultado positivo de R$ 81,5 milhões em 2021.

-Publicidade-

A receita líquida da varejista avançou 6% no comparativo trimestral, para R$ 8,76 bilhões. Já as vendas totais, que incluem lojas físicas e o comércio eletrônico, cresceram 13% entre janeiro e março, somando R$ 14,12 bilhões.

O grupo celebrou os resultados com a plataforma de marketplace, com aumento de vendas de 50% no período. O desempenho, no entanto, desacelerou, na comparação com os 98% de crescimento no mesmo período de 2021.

A atividade em torno do comércio eletrônico se consolidou no período, ampliando sua participação nas vendas totais do grupo para 72%. No primeiro trimestre do ano passado, essa fatia era de 70%.

Já as vendas de produtos próprios da empresa avançaram 3% no primeiro trimestre de 2022, contra 122% de elevação no mesmo período do ano passado.

Por sua vez, as vendas nas lojas físicas apresentaram queda de 3% no comparativo trimestral, enquanto no mesmo período de 2021 as perdas haviam sido de 0,5%. Já as vendas totais de lojas físicas subiram 6%, contra 4% de alta entre janeiro e março do ano passado.

Segundo o relatório do trimestre, o Magazine Luiza tem atualmente 1.477 lojas físicas no país, enquanto a área total de vendas cresceu 7,3%, para 719,1 mil metros quadrados.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

17 comentários Ver comentários

  1. Minha dúvida, como leigo: Se uma empresa desse porte tem prejuízo no final do ano, ficará livre de recolher impostos, inclusive aqueles que ela cobrou dos consumidores (embutidos nos preços finais)? E é possível que a empresa receba algum tipo de restituição?

  2. Burg king e americanas tem como um dos maiores acionistas o Paulo leman, o padrinho político da Tabata Amaral, que estava com o soltador de barro, Barroso, dizendo que é inimigo dos brasileiros eleitores de Bolsonaro. Paulo leman é proprietário da Ambev cervejas e refrigerantes também.
    Já mudaram suas contas do Itaú e do Bradesco para a CEF ou Banco do Brasil. Ficam falando que é Bolsonaro, mas ficam financiando esquerdistas…

    1. sobre as tetas terem secado para o setor bancário: quando foi zerada a dívida do Brasil para com o FMI, Lula vivia se exibindo dizendo que era muito chique o país ter eliminado essa dívida – só que tem um detalhe que a velha imprensa sempre escondeu da população: na verdade a dívida foi trocada, de endividamento externo com juros de 4% ao ano, para endividamento interno com juros de 19% ano ano – é bem por isso que a Dona Neca (maior herdeira do Banco Itaú) gosta tanto do Lula e sua pelegada.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.