-Publicidade-

Mansueto afirma que rombo deve ser superior a R$ 800 bilhões em 2020

O déficit primário do setor público deve ser superior a  R$ 800 bilhões em 2020, afirmou o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida
Mansueto Almeida estava no cargo desde o governo de Michel Temer | Foto: Divulgação/CNI
Mansueto Almeida estava no cargo desde o governo de Michel Temer | Foto: Divulgação/CNI | Mansueto Tesouro Nacional

De acordo com o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, o déficit primário deve ser superior a R$ 800 bilhões no ano

Mansueto
Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida | Foto: Divulgação/CNI

O déficit primário do setor público deve ser superior a  R$ 800 bilhões em 2020, afirmou o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida. Em sua última estimativa, o Ministério da Economia apontou que o rombo das contas públicas do Brasil deve fechar o ano em R$ 708,7 bilhões.

Mansueto disse que essa última projeção da pasta liderada por Paulo Guedes seria “otimista”. Outras instituições, como a Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, já projetam um rombo de mais de R$ 900 bilhões no ano.

Com essa situação das contas públicas, o secretário do Tesouro Nacional reforçou a necessidade de preservar o teto de gastos. O mecanismo, aprovado durante a gestão Temer, ajuda a limitar o aumento dos gastos públicos e a sinalizar o compromisso do país com o ajuste fiscal.

“Se o governo não conseguir resistir à pressão (contra o teto), isso pode elevar juro, risco-país, aumentar período de restrição, carga tributária”, afirmou Mansueto, de acordo com o jornal O Estado de S. Paulo.

Volta do crescimento

Mansueto avaliou que o país tem um prazo de dois a três anos para realizar as reformas necessárias para que o Brasil retome a trajetória do crescimento. Para ele, é necessário que o parlamento, com o apoio do governo, aprove o maior número de reformas, com o risco de piorar a trajetória do país.

Com a crise do coronavírus, o Brasil está sendo impactado na arrecadação, o que aumenta o rombo das contas públicas. De acordo com Mansueto, o país só deve voltar a apresentar superávits em 2026 ou 2027.

“Cumprir o teto de gastos e fazer reformas serão importantes para antecipar volta do superávit”, afirmou.

Saída do governo

Como já noticiado pela Oeste, Mansueto já anunciou que vai deixar o governo ainda neste ano. Funcionário de carreira, o secretário do Tesouro Nacional é um dos principais nomes da equipe do ministro Paulo Guedes.

Mansueto será substituído pelo ex-secretário da Fazendo do Espírito Santo, o economista Bruno Funchal.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês