Marcos Mendes: “O novo Plano Mansueto ainda está ruim”

Para o economista e pesquisador do Insper, é preciso socorrer estados e municípios sem estimular a irresponsabilidade fiscal
-Publicidade-
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida | Foto: Camargo/Agência Brasil
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida | Foto: Camargo/Agência Brasil | Mansueto - deixar - mercado - preocupados

Para o economista e pesquisador do Insper, é preciso socorrer estados e municípios sem estimular a irresponsabilidade fiscal

Foto: FERNANDO PALÁCIO
-Publicidade-

Antes do País ser assolado pela crise do coronavírus, o Plano Mansueto (projeto de lei complementar 149/19) já previa uma espécie de socorro aos estados e municípios mais endividados, com liberação de empréstimos com aval da União para resolver problemas financeiros imediatos, desde que fizessem um ajuste fiscal para recuperar suas finanças.

O plano ficou parado por meses no Congresso e ressurgiu com força total durante a pandemia. Em artigo publicado hoje, 11, no jornal A Folha de S.Paulo, o economista Marcos Mendes acredita que é preciso dar liquidez aos estados e municípios para enfrentar a queda na arrecadação mas alerta: “A ajuda precisa ser cirúrgica, para não deixar uma conta muito alta para o pós-crise, nem estimular a irresponsabilidade fiscal.” Para Mendes, o texto proposto não ficou bom.

LEIA TAMBÉM: Plano Mansueto ganha a internet e as redes sociais; entenda em três pontos

Ele explica que o projeto estabelece que a União cobrirá toda a perda de receita de ICMS e ISS dos meses de abril, maio e junho, na comparação com os mesmos meses de 2019. O valor da ajuda, segundo o Tesouro Nacional, custará R$ 41 bilhões.

Para Mendes, o custo será bem maior, uma vez que, “tendo a garantia de que terão toda a perda de receita coberta pelo Tesouro, os estados e os municípios serão estimulados e pressionados a dar ampla isenção de impostos,” afirma.

LEIA: Marcos Mendes: “Governo precisa adotar despesas temporárias para não se endividar” 

Apesar de ser a favor do socorro aos entes federados, ele propõe “fixar um valor nominal de, por exemplo, R$ 20 bilhões para os estados e R$ 10 bilhões para os municípios, a ser pago em três parcelas mensais, divididos proporcionalmente à população de cada ente. Coloca-se rapidamente dinheiro na mão dos estados, de forma simples, sem estimular a concessão de benefícios fiscais ou judicialização posterior.”

O receio de Mendes, com razão, é que passada a crise, as despesas temporárias se tornem permanentes e as dívidas sejam postergadas, judicializadas e renegociadas a prazos a perder de vista.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site