Mercado aumenta em 10 vezes a previsão para o crescimento econômico

Expansão aparece nas revisões realizadas ao longo do ano no Relatório Focus

A Oeste depende dos assinantes. Assine!

-Publicidade-
O  ministro da economia, Paulo Guedes, e o  presidente da República, Jair Bolsonaro | Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
O ministro da economia, Paulo Guedes, e o presidente da República, Jair Bolsonaro | Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

A previsão do mercado para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2022 cresceu quase dez vezes ao longo do ano. O número aparece no Relatório Focus, publicado pelo Banco Central toda segunda-feira.

O Relatório Focus desta segunda-feira, 24, aumentou a projeção de 2,71% para 2,76% em 2022. Na primeira edição deste ano, o documento registrou a previsão de crescimento econômico em 0,28%. Assim, o número previsto cresceu praticamente dez vezes.

Além disso, o documento registra a 17ª queda consecutiva da  prévia para o fechamento do Índice de Preços ao Consumidor Amplo em 2022. Elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística para medir a inflação, o indicador caiu de 5,62% para 5,6%.

-Publicidade-

De acordo com o Banco Central, o Relatório Focus traz estatísticas calculadas considerando as expectativas de mercado coletadas até a sexta-feira anterior à sua divulgação. O documento mostra a evolução gráfica e o comportamento semanal das projeções para índices de preços, crescimento econômico, câmbio, taxa Selic, entre outros indicadores para o Brasil. As projeções são do mercado, e não do banco.

A nova projeção do mercado para o crescimento econômico do Brasil está ainda mais próxima da estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI) para a expansão do PIB do país: 2,8%. O órgão divulgou os dados em outubro.

Mais crescimento econômico

Ao longo de 2022, o FMI revisou três vezes a expectativa para o desempenho do PIB brasileiro para cima. Em janeiro, a previsão estimava apenas 0,3% de expansão.

Ainda assim, Paulo Guedes, ministro da Economia, acredita que o fundo está subestimando o potencial do país. Na opinião dele, o crescimento econômico do Brasil pode chegar a 3% neste ano.

“Possivelmente, estão prevendo um crescimento baixo, porque estão achando que o outro candidato vai ganhar, e isso vai ser muito ruim para o crescimento”, afirmou o ministro, na data da divulgação das projeções do FMI, antes de dizer que o país continuará crescendo com a continuidade do governo do presidente Jair Bolsonaro.

“Quando se faz uma mudança estrutural forte na economia, que é o nosso caso, os modelos antigos perdem a aderência”, explicou o ministro. “Eles [o FMI] estavam prevendo crescimento baixo baseado em investimento público, que está caindo há 20 anos. Então, cada vez mais, o país cresce menos, o que era uma verdade, um fato. Mas mudamos o modelo econômico e agora é baseado em investimentos privados. Temos R$ 900 bilhões de investimentos privados já contratados.”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

11 comentários Ver comentários

  1. Não vão falar nada sobre o Marcos Valério estar ao vivo na TV Senado agora falando sobre o envolvimento do PT com o crime organizado e com a morte do Celso Daniel e ainda sobre a chefia do molusco ???

  2. Cada vez mais, a má vontade de caras como Armínio Fraga, e troupe, com o PG e a política econômica se tornam menos explicáveis…

  3. Quem sabe, sabe….Sugiro o Paulo Guedes abrir um cursinho rapido, modelo madureza para todos os ex ministros e pseudo economistas da Faria Lima que apoiaram o descondenado

  4. Pois é, Paulão… Você precisa realizar um verdadeiro milagre econômico, bem maior até do que aquele conseguido pelo antigo mago da economia Antônio Delfim Neto para melhorar a barra desse seu presidente da república, candidato à reeleição. É como o Bozó cantando aquele refrão de uma antiga música: “Eu sem você, não sou ninguém…”

    1. Do que vc está falando? As ações tresloucadas do Delfim Neto causaram a década perdida dos anos 80, e a hiperinflação.
      O PT de Lula e Dilma tentou o mesmo modelo de investimento estatal. Isso causou a maior crise da história do Brasil em 2015, que acabou com o congresso tirando essa corja da presidência.
      O crescimento sustentável vem do investimento privado. Investimento estatal gera, no máximo, voo de galinha.

      1. É verdade. Mas isso foi bem depois do milagre econômico. Isso não durou um só dia ou um só ano, gênio! O negócio era esperar para ver o bolo crescer e depois dividí-lo, só que o bolo desandou depois, de tanto fermento que puseram na receita econômica.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.