Na contramão do mundo, Ibovespa fecha 3º trimestre em alta

A possível desaceleração econômica dos EUA, da Europa e da China jogou um balde de água fria nas bolsas estrangeiras
-Publicidade-
B3, a Bolsa de Valores do Brasil | Foto: Reprodução/B3
B3, a Bolsa de Valores do Brasil | Foto: Reprodução/B3 | INTERNA DO MEYER!!!

O Ibovespa, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), fechou o terceiro trimestre deste ano com uma alta de 11,6% e se descolou de vez do exterior. Mundo afora, os mercados globais ruíram.

Nos Estados Unidos, a maior inflação em 40 anos (8,3%) forçou o Banco Central dos EUA a elevar os juros no país. A situação atípica jogou um balde de água fria nas bolsas norte-americanas. Os principais índices norte-americanos acumularam baixas no período: S&P 500 (-5,2%), Nasdaq (-4,1%) e Dow Jones (-6,6%).

Já na Europa, a guerra entre a Rússia e Ucrânia tem consequências desastrosas não só para as duas nações em conflito. As sanções econômicas continuam refletindo no mercado financeiro.

-Publicidade-

O Banco Central Europeu começou o processo de subida de juros, para frear o avanço dos preços. Na China, a política de covid zero, que paralisa as atividades no país, também lança dúvidas a respeito do crescimento econômico da região.

Dada a conjuntura, o risco de recessão nos EUA, na Europa e na China se aprofunda e dissipa uma nuvem de aversão a risco nos mercados. Apesar dos vários fatores externos negativos, a bolsa brasileira foi resiliente nos últimos três meses.

O Brasil tem a vantagem de ter iniciado o ciclo de aumento de juros ainda no início de 2021, antes do restante do mundo, e agora começa a fechar o aperto monetário de forma antecipada também — o que é positivo para os ativos de risco, como ações.

Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a autoridade monetária manteve a taxa Selic em 13,75%, mesmo patamar do mês anterior, após 12 aumentos consecutivos. A perspectiva é que a inflação no Brasil já tenha chegado ao ápice.

“Temos EUA, Europa e China com dúvidas a respeito do crescimento”, afirmou ao jornal Estado de S. Paulo Ricardo França, analista da Ágora Investimentos. “No Brasil, estamos em um momento diferente. A percepção é que o ciclo de aperto se encerrou por aqui. Olhamos para 2023 com o entendimento de que os juros possam cair de forma gradual, a partir provavelmente do segundo semestre.”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Acredito que, a simples expectativa da vitória do PT à presidência, fará nossos indicadores econômicos recuarem, em nível internacional…

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.