‘Novo pré-sal’ na Região Norte pode ter grandes volumes de petróleo

Possibilidade de exploração comercial já abriu uma disputa entre empresas e órgãos ambientais
-Publicidade-
Plataforma de petróleo "P-67" ancorada na Baía de Guanabara, RJ | Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Plataforma de petróleo "P-67" ancorada na Baía de Guanabara, RJ | Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Após quatro anos interpretando dados sísmicos três pesquisadores chegaram à conclusão de que o litoral do Pará-Maranhão é o mais promissor do país para se extrair petróleo depois do pré-sal. Eles projetam a existência de 20 bilhões a 30 bilhões de barris de óleo equivalente.

Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, desse total, 13 bilhões de barris poderiam se transformar, de fato, em reservas descobertas. No pré-sal, são 40 bilhões de barris.

-Publicidade-

Leia mais: “Bolsonaro sanciona nova lei de licitações e veta obrigação de publicar editais em mídia impressa”

A possibilidade deste “novo pré-sal” já abriu uma disputa entre empresas e órgãos ambientais. O governo, porém, está receoso com os prejuízos ambientais que a atividade possa causar nesses Estados. Na dúvida, optou por excluir blocos localizados nessa bacia dos leilões de petróleo deste e do próximo ano.

O interesse na região surgiu com a descoberta de grandes volumes de petróleo em áreas de outros países, com características semelhantes à da margem equatorial brasileira.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.