Novo presidente da Petrobras começa transição e analisa nomes para diretoria

General Joaquim Silva e Luna, indicado por Jair Bolsonaro, teria convidado todos os atuais diretores a permanecerem em seus cargos, mas quatro já recusaram
-Publicidade-
General Joaquim Silva e Luna, indicado por Jair Bolsonaro, assumirá a presidência da Petrobras
General Joaquim Silva e Luna, indicado por Jair Bolsonaro, assumirá a presidência da Petrobras | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir o comando da Petrobras, o general Joaquim Silva e Luna já iniciou os trabalhos de transição. Segundo o Valor, o processo começou há cerca de duas semanas, após seu nome ter sido aprovado pelo Comitê de Pessoas da estatal, no dia 17 de março. Desde então, o novo presidente vem se reunindo com integrantes da diretoria da empresa.

A posse de Silva e Luna na Petrobras ainda depende de trâmites burocráticos. No dia 12, a Assembleia-Geral Extraordinária da companhia deve se reunir para torná-lo conselheiro da estatal — pré-requisito para que seja formalizado como novo presidente.

-Publicidade-

Leia mais: “Comitê aprova nome de Joaquim Silva e Luna para comandar Petrobras”

De acordo com o jornal, Silva e Luna teria convidado todos os atuais diretores a permanecerem em seus cargos. Quatro deles, entretanto, já declinaram e anunciaram que deixam a empresa quando a nova gestão assumir, acompanhando o atual presidente, Roberto Castello Branco: André Chiarini (Comercialização e Logística), Andrea de Almeida (Finanças), Carlos Alberto Pereira de Oliveira (Exploração e Produção) e Rudimar Lorenzatto (Desenvolvimento da Produção). Outro que deve deixar a diretoria é Marcelo Zenkner (Governança e Conformidade).

Leia mais: “Guedes diz ter avisado a Bolsonaro que interferir na Petrobras tem ‘custo econômico pesado’”

Os encontros entre o indicado de Bolsonaro para a presidência da estatal e os atuais diretores têm ocorrido na sede do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), vinculado ao Ministério de Minas e Energia, no Rio de Janeiro. Segundo pessoas próximas à cúpula da companhia, a transição tem sido “tranquila”.

Leia também: “Lucro de estatais cai 44% e compromete dividendos da União”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.