OCDE descarta recessão global, mas aponta para ‘desaceleração’

A Ásia será o principal motor do crescimento nos próximos anos

A Oeste depende dos assinantes. Assine!

-Publicidade-
A inflação mais alta e o crescimento mais baixo são o preço alto que a economia global está pagando pela guerra da Rússia contra a Ucrânia
A inflação mais alta e o crescimento mais baixo são o preço alto que a economia global está pagando pela guerra da Rússia contra a Ucrânia | Foto: Divulgação/Flickr

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) descarta uma recessão global, mas aponta uma desaceleração significativa do crescimento da economia mundial em 2023, assim como uma inflação ainda alta em muitos países.

“Os riscos continuam a ser significativos”, alertou o economista-chefe, Alvaro Pereira, nesta terça-feira, 22, na divulgação das perspectivas econômicas. A projeção agora é que o crescimento mundial irá de 3,1% neste ano para 2,2% em 2023 e ficará em 2,7% em 2024.

A Ásia será o principal motor do crescimento em 2023 e 2024, enquanto a Europa, a América do Norte e a América do Sul “terão um crescimento muito baixo”.

-Publicidade-

Segundo a entidade, a inflação mais alta e o crescimento mais baixo são o preço alto que a economia global está pagando pela guerra da Rússia contra a Ucrânia.

“Se a inflação não for contida, esses problemas só pioram. O combate à inflação tem de ser nossa principal prioridade política neste momento”, afirmou Pereira.

Para a OCDE, a estratégia dos bancos centrais de aumentar as taxas de juros para conter a inflação começa a dar frutos. E exemplifica com o caso do Brasil, onde “o Banco Central moveu-se rapidamente, e a inflação começou a diminuir nos últimos meses”.

“Um maior aperto da política monetária é essencial para combater a inflação, e estímulo a fiscal deve se tornar mais direcionado e temporário”, completou o economista-chefe da OCDE.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Essa ocde reviu o crescimento do brasil em junho de 1,4 para 0,6 ,para influenciar nas eleições
    agora no fim de novembro e após as eleicoes subiram para 2,8. Nao da pra confiar nesses ridiculos

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.