OMC vive impasse, e protecionismo é o grande desafio

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem demonstrado insatisfação com a entidade e já ameaçou sair dela
-Publicidade-
Foto: Divulgação/Henrique Mendizabal
Foto: Divulgação/Henrique Mendizabal

Presidente Donald Trump tem demonstrado insatisfação com a entidade e já ameaçou tirar os EUA dela

OMC
Foto: Divulgação

Com a saída do brasileiro Roberto Azevêdo, fica mais nítido o impasse pelo qual passa a Organização Mundial do Comércio. Fundada em 1995, a entidade busca se reinventar para continuar tendo relevância no cenário internacional.

-Publicidade-

Azevêdo deixou o cargo antes de concluir o segundo mandato, que duraria até 31 de agosto de 2021, e assumiu as funções de vice-presidente-executivo e diretor de assuntos corporativos do gigante PepsiCo.

Leia mais: “A resposta liberal para a desigualdade”, na edição desta semana da Revista Oeste

“Me parece que a saída dele tem inclusive a ver com a frustração dos poucos avanços nos últimos anos, particularmente por conta da postura dos Estados Unidos perante a OMC”, afirma Carlos Gustavo Poggio, professor de Relações Internacionais (RI) da Faap.

A definição do novo diretor-geral da entidade deve levar meses, o que contribui para o clima de incertezas. O principal desafio da organização é o protecionismo, que vem ganhando força devido à pandemia do novo coronavírus.

“A tendência é de um pouco mais de protecionismo em resposta à pandemia e também para poder defender interesses mais locais”, afirma Ricardo Balistiero, economista e coordenador do curso de administração do Instituto Mauá de Tecnologia.

O mais provável é que a OMC fique em stand-by até as eleições norte-americanas, marcadas para 3 de novembro.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem demonstrado insatisfação com a entidade e já ameaçou sair dela. Em maio, ao comentar a saída de Azevêdo, o republicano foi taxativo: “Para mim, não é um problema, a OMC é horrível”.

“Trump é um crítico da OMC. Na verdade, ele enxerga todo o sistema internacional que os Estados Unidos criaram no pós-Segunda Guerra Mundial como tendo sido montado para tirar vantagem do país”, diz Poggio.

Órgão de apelação

OMC
Sede da OMC, em Genebra, Suíça | Foto: Reprodução

A mais alta corte da Organização Mundial do Comércio está parada desde dezembro do ano passado por falta de juízes.

O governo Trump decidiu bloquear as nomeações para o tribunal e, até a resolução desse impasse, a OMC está sem o poder de fazer valer seus tratados.

“Na prática, o tribunal está paralisado, o que nunca aconteceu e é algo grave. Trump não tem muito interesse na organização e, por essa razão, não nomeia novos juízes, para enfraquecer a OMC”, destaca o professor de RI Carlos Gustavo Poggio.

Protecionismo

Especialistas destacam que a questão do protecionismo é o principal desafio da organização, que foi criada justamente para defender o livre-comércio entre os países.

“Estamos pela primeira vez desde o fim da Segunda Guerra Mundial experimentando uma guerra tarifária”, afirma Poggio.

Em maio, por exemplo, o Ministério da Agriculta brasileiro lançou um documento enfatizando que o comércio internacional de produtos agrícolas pode ser afetado pelo aumento do nacionalismo e protecionismo após a pandemia.

A pasta destaca que, para estimular agroindústrias domésticas, os países podem retornar “a graus elevados de proteção e subsídios quando conveniente”.

Em agosto, os Estados Unidos afirmaram estar tomando medidas adicionais para conter as importações de aço do Brasil e do México em meio às difíceis condições do mercado interno.

Disputas entre Estados Unidos e China

Desde 2018, a disputa comercial entre Estados Unidos e China vem causando preocupações em todo o mundo. Com a pandemia, a situação pode ficar ainda mais delicada.

“A guerra comercial entre Estados Unidos e China passa à margem da OMC, que não tem a menor possibilidade de arbitragem num conflito desse tamanho”, afirma o economista Ricardo Balistiero.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.