Para diretor da CNI, piores momentos da crise ficaram para trás

Para diretor da CNI, piores momentos da crise ficaram para trás.
-Publicidade-
Diretor da CNI vê retomada do otimismo na indústria após crise do coronavírus | Foto: CNI/Divulgação
Diretor da CNI vê retomada do otimismo na indústria após crise do coronavírus | Foto: CNI/Divulgação | cni, indústria, otimismo, retomada econômica, crise do coronavírus

Carlos Abijaodi levou em conta o Índice de Confiança do Empresário Industrial da entidade, que aponta retomada do otimismo

cni, indústria, otimismo, retomada econômica, crise do coronavírus
Diretor da CNI vê volta do otimismo na indústria após crise do coronavírus
Foto: CNI/Divulgação

O setor industrial brasileiro começa a reverter o pessimismo que teve início em abril, quando o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei), medido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), despencou, chegando a 34,5 pontos em uma escala de zero a 100.

-Publicidade-

Levantamento divulgado nesta quarta-feira, 12, pela entidade mostra que, em agosto, o índice ficou em 57 pontos. “Isso significa que a confiança voltou de forma disseminada”, informou a CNI.

O número representa uma alta de 9,4 pontos na comparação com julho (47,6 pontos). Em junho, o Icei estava em 41,2 pontos; em maio, 34,7 pontos; e em abril, 34,5 pontos. Em agosto de 2019, esse índice estava em 59,4 pontos.

De acordo com a CNI, valores acima de 50 pontos indicam confiança do empresário e, quanto mais acima, maior e mais disseminada essa sensação. Por outro lado, valores inferiores a 50 pontos apontam falta de confiança do empresário — e, quanto mais abaixo, maior e mais disseminada é essa falta.

O otimismo é reforçado pelo fato de o índice registrado em agosto ter ficado acima da média histórica do Icei, que é de 53,4 pontos.

O indicador antecede o estudo que apontará o desempenho industrial. Por isso, representa uma tendência de como se comportará a produção industrial brasileira nos próximos meses, uma vez que, para haver os investimentos e o aumento de produção necessários à retomada da atividade industrial, é necessário que haja, antes, resgate da confiança do setor.

Em nota, o diretor de desenvolvimento industrial da CNI, Carlos Abijaodi, disse que os piores momentos da crise causada pela pandemia ficaram para trás, embora o empresário da indústria ainda perceba que a situação econômica é negativa, na comparação com os últimos seis meses.

“O Brasil precisa dessa confiança. Quando o empresário passa a acreditar que o futuro é mais promissor, ele transforma esse futuro de forma positiva. Do contrário, não sairíamos do fundo do poço”, destaca Abijaodi. “Há uma percepção de melhora no ambiente de negócios, pelo andamento da reforma tributária e por uma demonstração do governo de reduzir o custo Brasil.”

Ele acrescenta que projetos importantes, como o novo marco do saneamento e o novo marco legal do gás natural, vêm avançando no Congresso Nacional, o que é bem-visto pelo setor privado.

A pesquisa foi realizada entre 3 e 7 de agosto e consultou 1.284 empresas, das quais 517 de pequeno porte, 473 de médio e 294 de grande porte.

Com informações da Agência Brasil

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Imaginem como seria esse país se o congresso, o STF, os governos estaduais e suas câmaras legislativas, os presidentes de estatais e autarquias, o funcionalismo público e os empresários, fossem pessoas decentes, honestas e patriotas. Seríamos a 2ª potência mundial ou não?

  2. Pois é! Mesmo com todo o negacionismo da esquerda, do Legislativo, dos Governadores e do STF, o Brasil de Bolsonaro cresce e se impõe como potência!! Imagine como estaria este País se houvesse “colaboracionismo” destes entes catastróficos, e sem o vírus chinês!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.