PEC Emergencial preserva incentivos para informática, diz Ministério da Economia

Benefícios para o setor estão previstos até 31 de dezembro de 2029
-Publicidade-
Ministro da Economia, Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: Edu Andrade/Ascom/ME

O Ministério da Economia informou que a PEC Emergencial não vai impactar benefícios fiscais para o setor de informática, que estão previstos até 31 de dezembro de 2029.

Em nota, a pasta afirmou que a Lei de Informática está “em completa consonância” com o previsto na proposta. O segmento ficou temeroso já que o texto da PEC estabelece o envio de um plano de redução de incentivos até seis meses após a promulgação da emenda à Constituição.

-Publicidade-

Leia mais: “EMPRESAS DE TECNOLOGIA FIRMAM NEGOCIAÇÃO DE R$ 2 BI”

“Os benefícios concedidos pela Lei da Informática serão preservados no plano de redução dos incentivos a ser encaminhado ao Congresso”, garantiu a equipe econômica na terça-feira 9.

Nos últimos dias, empresas do setor de informática e universidades federais expressaram preocupação, entendendo que o segmento poderia ser afetado pela PEC.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.