-Publicidade-

Rodrigo Limp é indicado para a presidência da Eletrobras

Atual secretário de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia foi indicado pelo 'acionista controlador' — a União —, fora do processo seletivo tradicional
Indicado pelo governo, Rodrigo Limp será o novo presidente da Eletrobras
Indicado pelo governo, Rodrigo Limp será o novo presidente da Eletrobras | Foto: Pedro França/Agência Senado

A Eletrobras anunciou nesta quinta-feira, 25, que o Conselho de Administração da empresa indicou o nome de Rodrigo Limp para assumir a presidência da companhia. Ele assumirá o posto deixado por Wilson Ferreira Júnior, que renunciou em janeiro deste ano. Atualmente, Limp é secretário de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia. Ele foi diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) entre 2018 e 2020.

Leia mais: “Economia recomenda inclusão de Correios, Eletrobras e EBC em programa de desestatização”

“A indicação reafirma o compromisso do governo na continuidade das ações visando ao aumento da eficiência operacional e ao aprimoramento da estratégia de sustentabilidade da Eletrobras, observando que o processo de capitalização, em tramitação no Congresso Nacional, é essencial para que a empresa se torne mais forte e competitiva, contribuindo para gerar emprego e renda à população brasileira, e proporcionando menores custos e melhores serviços aos consumidores de energia elétrica”, diz a nota da Eletrobras.

Leia mais: “Partidos da esquerda acionam o Supremo contra privatização da Eletrobras”

Segundo o comunicado assinado pela diretora financeira da empresa, Elvira Cavalcanti Presta, Limp foi indicado pelo “acionista controlador” — a União —, fora do processo seletivo tradicional. “Não obstante, ele foi avaliado e recomendado pelo Comitê de Pessoas, Elegibilidade, Sucessão e Remuneração, entrevistado e aprovado, por maioria, pelo Conselho de Administração, e atende aos requisitos legais e de qualificação técnica necessários para o cargo”, diz a nota.

A Eletrobras também informou que Mauro Gentile Cunha, um dos integrantes do Conselho de Administração, renunciou ao cargo. Na carta de renúncia, ele afirma que houve “quebra irremediável de confiança no processo de governança deste conselho”.

Leia também: “Pritivatizações, o jogo é à vera ou à brinca?”, reportagem publicada na Edição 51 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.