‘Veto à carne é pressão da China para forçar queda no preço’, diz especialista

Em entrevista a Oeste, o diretor da Athenagro Consultoria Maurício Palma Nogueira acredita que o embargo da China vai além do "problema sanitário"
-Publicidade-
Há três meses, os produtores brasileiros estão impedidos de embarcar o produto para o país asiático
Há três meses, os produtores brasileiros estão impedidos de embarcar o produto para o país asiático | Foto: Divulgação

O veto às exportações de carne bovina brasileira à China reacendeu a discussão sobre como a economia nacional está calcada nos interesses chineses.

Há três meses, os produtores brasileiros estão impedidos de embarcar o produto para o país asiático. Tanto tempo de bloqueio na negociação entre os dois países chama a atenção dos especialistas do setor.

Em entrevista a Oeste, o diretor da Athenagro Consultoria Maurício Palma Nogueira disse que “se trata de uma pressão chinesa para que a indústria brasileira reduza os preços de venda”. Porém, ele acha que esse “jogo” não vai surtir o efeito esperado pelos chineses.

-Publicidade-
Foto: Maurício Palma Nogueira, coordenador do Rally da Pecuária

1 — O que de fato existe por trás desse veto de exportação da China à carne brasileira?

A justificativa para o embargo à exportação de carne brasileira para a China foi a ocorrência do caso atípico da doença da vaca louca em dois animais no Brasil. O caso é atípico porque a ocorrência não é transmissível para outros animais, o que consiste em um evento biológico natural. O controle no Brasil é reconhecidamente rigoroso, tanto é que, de imediato, a Organização de Saúde Animal declarou que o status sanitário do país seria mantido. Dado o contexto em que tudo se desenrolou, acreditamos que parte da motivação para o embargo seja de ordem comercial. Em outras palavras, trata-se de uma pressão chinesa para que a indústria brasileira reduza os preços de venda.

2 — Esse jogo político vai resultar em um abatimento do preço da carne? 

No comércio, essa prática é comum, ainda mais se tratando dos chineses, que são historicamente duros nas negociações. Justamente por representarem uma fatia muito grande das vendas brasileiras, os chineses usam com frequência desse tipo de pressão. Não acreditamos que a pressão surta efeitos nos preços de mercado. Tanto é que as cotações já voltaram a subir. A China, assim como todos os demais compradores no mercado internacional, continuará pagando preços mais elevados pela carne. Vivemos um momento de baixa oferta no mercado global de proteínas. Até o momento, a produção asiática não se recuperou integralmente dos efeitos da epidemia da peste suína africana, que impactou a produção de carne suína.

3 — As indústrias ficaram muito receosas em relação a esse veto e à demora por parte da China em liberar as exportações novamente. O mercado de carne brasileiro está na mão dos chineses?

Hoje, os chineses representam cerca de 50% das exportações de carne bovina brasileira. Em termos comerciais, essa situação é desconfortável para ambos os países, que ficam vulneráveis ao humor do mercado, tanto de um lado como do outro. É natural que ambos busquem diversificar fornecedores e clientes. Agora, imagine que a China consiga substituir o Brasil em parte de suas compras. Essa ocorrência abriria outro mercado para o Brasil,  ocupando o espaço do exportador para outros mercados consumidores. Portanto, na relação entre fornecedor e cliente, irão pesar também os diversos acordos comerciais, sejam eles em blocos sejam estabelecidos individualmente. Em termos de fundamentos de mercado, pode-se dizer que a China tem fôlego para aumentar a demanda. O Brasil tem fôlego para responder à oferta. Trata-se de uma relação natural.

4 — Muito se fala em prejuízos com esse veto, tanto para indústria quanto para o pecuarista. De qual forma isso pode afetar o mercado interno brasileiro?

Com a recente liberação das cargas embarcadas até o início de setembro, o risco para a indústria se reduziu. Mas não se pode negar que houve uma frustração nos resultados. No entanto, o grande prejuízo acabou na mão dos produtores, especialmente aqueles que se prepararam para ofertar os animais que estavam confinados à espera da venda. Os lotes que foram negociados durante esse período representaram resultados negativos para os pecuaristas. A única alternativa para o produtor teria sido a gestão de riscos através de contratos no mercado futuro, realizado na Bolsa de Valores de São Paulo. No entanto, essa estratégia deveria ter sido conduzida no início do projeto de confinamento, entre os meses de abril a junho.

5 — Ao suspender a importação de carne brasileira, como a China faz para suprir a demanda interna?

Acreditamos que não há muita margem de manobra para abastecer a população interna. Sendo assim, a pressão não deve se estender por muito tempo. Mas os chineses podem garantir algumas semanas de tranquilidade administrando estoques, sejam eles importados sejam produzidos no próprio país. Nesse caso, os estoques envolvem outras proteínas e não apenas a carne bovina.

Leia também: “A crise da Evergrande e o socialismo de mercado fake, publicado na edição 80 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

10 comentários Ver comentários

  1. Eles detém quase 20% do mercado consumidor mundial. Não seriam estratégicos se não usassem isso a seu favor. Cabe ao Brasil buscar outras parcerias comerciais para que não fiquemos reféns desses embargos. Endurecer o posicionamento também deve ajudar. Apesar de terem o trunfo de serem os maiores, a quantidade de bocas para sustentar também é maior

  2. Parabéns à revista Oeste pela matéria. O Brasil não pode mesmo ficar refém deste país comunista no que se refere à balança comercial. São manipuladores, gananciosos e, para darem um calote nos fornecedores internacionais, basta querer.
    Nosso mercado interno precisa de mais oferta da carne bovina para termos um preço mais acessível. A demanda existe.

  3. Por isto, ha tempos faço questão de ver a origem do que compro, evitando o “made in China”. o que nem sempre é possível. Infelizmente o assunto é um tanto complexo para ser entendido (e controlado) pela maioria as pessoas. Sim, fundamental é diversificarmos nossos cliente.

    1. Esses dias precisei de uma cafeteira, o produto brasileiro era quase 3 vezes mais caro, mesmo assim comprei, é assim que boicotamos esses canalhas.
      Inclusive boicotando lojas e sites alinhados com eles.

    2. Eu já faço isso desde o ano passado. Passei a me preocupar com a origem dos produtos desde que impuseram ao mundo este maldito vírus. Desde brinquedos para os meus netos a vestuário, sendo “made in China”….NÃO COMPRO!

  4. Eu sei que é muito difícil para o produtor, transformar sua área de pastagem para área de lavoura. Mas é uma opção, ainda mais com essa nova normativa da COP26 em reduzir o metano em 40% até 2040 e que o Brasil do Bolsonaro mais do que ligeiramente assinou esse compromisso. Com isso, o rebanho ficaria reduzido em 40%, como manda a lógica. Com isso também, o preço da carne iriá disparar no mercado externo e infelizmente interno também. Paciência.

    1. Caro Paulo, aumento de emissões de metano não tem relação alguma com produção pecuária. Os níveis de saturação de metano na atmosfera são extremamente estáveis desde sempre.
      Isso é mais uma falácia pseudo ambiental destinada a manter sob controle a oferta de alimentos.
      Esta afirmação dos comunoglobalistas e tão estúpida quanto a falácia de elevação dos níveis dos oceanos.
      Não acredite.

      1. Existem inúmeras fontes de metano, umas naturais e outra não. As fontes naturais são essas que você se refere, de fato são estáveis, pois dependem única e exclusivamente de fenômenos naturais. O que está em jogo são as fontes não naturais que estão ligadas às atividades humanas, darei um exemplo simples das duas: Manadas de ruminantes africanos (búfalos, gnus, antílopes, etc…) a outra, que está ligada às atividades humanas são as de ruminantes domésticos (gado vacum e outros) A população dos primeiros é sempre controlada por predadores, secas, caçadores, etc…, então ela não se altera muito. A população da outra é controlada pelo mercado consumidor. É isso. Mas existem milhares de fontes naturais, concordo com isso.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.