-Publicidade-

‘Brasileiros não fazem prova EaD sem colar’, diz ministro da Educação

Milton Ribeiro defende que mesmo com ensino à distância, provas deverão ser presenciais para evitar fraudes
Chefe do MEC afirmou que não há previsão para volta das aulas presenciais | Foto: Nayra Halm/Estadão Conteúdo
Chefe do MEC afirmou que não há previsão para volta das aulas presenciais | Foto: Nayra Halm/Estadão Conteúdo | Provas

Milton Ribeiro defende que mesmo com ensino à distância, provas deverão ser presenciais para evitar fraudes

Provas
Chefe do MEC afirmou que não há previsão para volta das aulas presenciais | Foto: Nayra Halm/Estadão Conteúdo

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou nesta sexta-feira, 28, que a educação brasileira vai sofrer influências do ensino à distância adotado durante a pandemia. Contudo, ele defendeu que as avaliações presenciais sejam mantidas, pois muitos brasileiros tendem a “colar”.

“Eu acho que esse é um assunto que a gente precisava debater [a questão da avaliação à distância]. Com todo o respeito que tenho aos brasileiros, eu sou brasileiro, mas eu não creio que todos tenham essa disciplina de fazer uma prova sozinho, em casa, com todas as condições pra poder, eventualmente, em um momento de necessidade, até burlar a questão do cuidado, colar, como diz a moçada”, falou.

Questionado sobre o retorno às aulas presenciais, o ministro disse que ainda não há resposta para essa questão nem no Brasil nem no exterior. Ribeiro destacou que o Brasil é um país continental e por isso não há como “uniformizar” a retomada das atividades de ensino.

Aliás, o ministro da Educação também afirmou que não cabe ao MEC essa decisão, mas sim aos prefeitos e governadores. A pasta poderia contribuir com propostas, mas não tem o poder de determinar essas questões.

 

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês