Eleições 2020: 67 congressistas vão disputar um novo cargo

Edição da semana

Em 27 set 2020, 11:01

Eleições 2020: 67 congressistas vão disputar um novo cargo

27 set 2020, 11:01

A cidade de São Paulo é a capital que reúne o maior número de parlamentares na corrida eleitoral

PEC eleições Marco Saneamento

Na disputa municipal, serão 63 deputados federais e dois senadores
Foto: Rodolfo Stuckert/ Agência Senado

Dada a largada da corrida eleitoral, alguns dos postulantes aos cargos de prefeito e vereador já são conhecidos pelo seu eleitorado. Nas eleições municipais deste ano, 67 congressistas vão disputar um novo cargo.

Na disputa municipal, serão 63 deputados federais e dois senadores. Além disso, um senador e um deputado federal disputam a eleição suplementar ao Senado por Mato Grosso.

Até o fim do prazo para registro de candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ontem, sábado 26, 63 parlamentares já haviam confirmado a participação, enquanto quatro deles estavam pendentes. Contudo, o órgão segue processando as informações.

Com dez candidatos, o PT é a legenda com mais parlamentares nos pleitos municipais, seguido do PSL, com seis congressistas. Vêm  então Republicanos, PSD e PSB, com cinco cada um. Psol, PSDB, Pros e Podemos terão quatro deputados cada um na disputa.

A cidade de São Paulo é a capital que reúne o maior número de parlamentares na corrida eleitoral,  cinco no total. Entre as mulheres, Joice Hasselmann (PSL) e Luiza Erundina (Psol), que pretende ser vice. Entre os homens, estão na disputa os deputados Celso Russomanno (Republicanos), Orlando Silva (PCdoB) e Carlos Zarattini (PT), esse último como vice-prefeito.

Vaga suplementar

O senador Carlos Fávaro (PSD-MT) entrou na corrida e vai tentar a vaga suplementar no Senado destinada a políticos do Estado de Mato Grosso. Terceiro colocado na eleição de 2018, Fávaro assumiu o posto deixado pela senadora cassada Juíza Selma (Podemos-MT).

O ex-senador e atual deputado federal José Medeiros (Podemos-MT) também entrou na briga pela vaga para voltar à Casa Alta.

O mandato de Selma foi cassado por caixa dois e abuso de poder econômico após ela ter sido eleita em 2018 na esteira da onda bolsonarista. O pleito, que estava marcado para abril, acabou sendo adiado pela Justiça Eleitoral por causa da covid-19.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Boa Wesley.
    Como não sou IBOPE e/ou Datafolha o meu prognóstico – não pesquisa, pois essa farsa é deles, q têm preço e opinião cifrada – é de que 70% ñ se reeleger. A menos q se abracem a alguém honestissimo, e quem não precisa provar que é, tem nome hoje: DEUS.
    Gostaria q Lula, Dilma ou FHC apadrinhasse os outros 30%.
    O nosso presida completa 600 dias e tem culpa sim. De não deixar Celso de Mello aposentar. Tadinho…

    Responder
  2. Não entregue sua prefeitura a muitos desses partidos, exemplo:PT, PDT, PSOL, DEM, PSDB, PSB, MDB, REDE. temos q tirar a representatividade deles no congresso, mais isso primeiro passa pelos municípios, sem municípios controlados por estes partidos, fica mais difícil eles emplacarem deputados Federais e senadores. São os caciques desses partidos q comando os seus deputados e senadores no congresso, e quando mais deputados forem eleitos mais barganha eles fazem.

    Responder
    • Otimo.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês