-Publicidade-

Trump e Biden vão a ‘campos de batalha’ na reta final da campanha

Candidatos fazem comícios em Estados considerados primordiais para vitória
Comício de Trump reuniu multidão na Pensilvânia | Foto: Reprodução/Leonardo Coutinho/Paralelo 39
Comício de Trump reuniu multidão na Pensilvânia | Foto: Reprodução/Leonardo Coutinho/Paralelo 39 | comício de trump - campos de batalha - biden - eleição nos EUA

Candidatos fazem comícios em Estados considerados primordiais para vitória

comício de trump - campos de batalha - biden - eleição nos EUA
Comício de Trump reuniu multidão na Pensilvânia, um dos Estados considerados como “campos de batalha” | Foto: Reprodução/Leonardo Coutinho/Paralelo 39

Rivais na disputa pela presidência dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump e o democrata Joe Biden tiveram as agendas movimentadas nesta segunda-feira, 2, véspera da eleição. Os dois estiveram concentrando forças em swing states, como são chamados os estados que historicamente não têm preferência por um único partido e, no fim das contas, ajudam a definir o pleito.

Leia mais: “De eleição nos EUA a novo ministro no STF: confira o que será notícia na semana”

Ex-senador e vice-presidente durante os oito anos de governo de Barack Obama, Biden programou comícios na Pensilvânia e em Ohio. Os dois Estados rendem 20 e 18 delegados do colégio eleitoral, respectivamente. Na última eleição presidencial, o Partido Democrata, na ocasião representado por Hillary Clinton, perdeu em ambas as localidades.

Trump, por sua vez, marcou presença em mais Estados neste último dia de campanha. Candidato que busca se reeleger, e assim seguir os passos de seus três antecessores na Casa Branca, ele tinha compromissos marcados para Pensilvânia, Carolina do Norte (15 delegados), Wisconsin (10) e Michigan (16). Há quatro anos, o republicano venceu em todos os quatro Estados.

Um olhar sobre os últimos comícios

No último fim de semana, o escritor e pesquisador Leonardo Coutinho apresentou em seu site, o Paralelo 39, diferenças entre dois comícios. Num primeiro momento, ele registrou que um evento protagonizado por Joe Biden no Michigan ficou esvaziado. Por outro lado, no mesmo dia, a apresentação de Donald Trump na Pensilvânia reuniu multidão.

“Os republicanos apostam que conquistarão a Pensilvânia”

Para Coutinho, isso representa alguns dos “sinais de que Trump será reeleito”, principalmente se ele conquistar um dos “campos de batalha” em especial. “Os republicanos apostam que conquistarão a Pensilvânia. Acontecendo isso, Trump tem mais quatro anos pela frente. O Estado virou uma questão de vida ou morte para sua campanha”, analisa o escritor que vive há anos nos Estados Unidos.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Está eleição representa não Só os Estados Unidos, mais o mundo. Vivemos hj um tempo em q o teste p suprimir a liberdade das pessoas foi realizado e em Boa parte do mundo foi bem sucedida. Uma guerra não convencional está sendo travada e a principal arma é a informação. O velho comunismo achou um jeito novo d vencer batalhas, através d compra d economias , d políticos d ideias, e p isso não preciso dar um tiro, apenas divido o povo inimigo em várias minorias, banco suas ideias, desestabilizo o seu governo com tumultos urbanos, me torno sócio d meios d comunicação, compro o político rival, e assim está implantado o novo cenário da nova guerra. Triste ver um país q lutou pela liberdade do mundo na segunda guerra ou no Oriente médio, hj tendo q combater o comunismo dentro d sua própria casa e com seu povo dividido.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês