Em tempos de crise, sabedoria e paz - Revista Oeste

Revista

Em tempos de crise, sabedoria e paz
A oração dedicada a Salomão serve de guia e inspiração, não de salvo-conduto ou escudo contra críticas e cobranças
29 maio 2020, 10:00

Acredita-se que o Salmo 72, o hino ao “rei prometido”, tenha sido escrito pelo rei Davi para seu filho Salomão, que estava prestes a assumir o trono de Israel em 970 a.C. É um salmo também evocado por doentes em busca de cura. Para Davi, um rei guerreiro e conquistador, o reino de seu filho deveria ser abençoado por Deus e curativo para seu povo, mas pela sabedoria e pela paz. A passagem do trono de Davi para Salomão é um dos momentos mais importantes do Antigo Testamento, iniciando uma dinastia de quatro séculos e uma linhagem que chegará até Jesus.

Os que oram citando o Salmo 72 costumam pedir um reinado de justiça com a graça de Deus para novos governantes. Se foi mesmo criado para Salomão por seu pai, Davi pode se orgulhar do resultado, já que Salomão foi tido como o mais sábio dos reis da Antiguidade, governando Israel por quatro décadas de paz, boas relações com as nações vizinhas, prosperidade e justiça. Evidentemente, é hora de lembrar e refletir sobre seu legado, especialmente nestes tempos de crise e pandemia.

Enquanto contou com a graça de Deus e respeitou os ensinamentos divinos, Salomão liderou a mais admirada gestão de todos os reinados registrados pelo Antigo Testamento, o que incluiu a criação do primeiro Templo de Jerusalém, o centro mais importante da fé judaica e que ainda contava com a mítica Arca da Aliança. O Salmo 72 é, portanto, uma oração que dedica o novo reinado que virá a Deus e, em troca, pede sabedoria, senso de justiça e o poder curativo do Espírito Santo pairando sobre o reino. Pense num país que precisa desesperadamente de tudo isso hoje.

Toda vez que Salomão se distanciava dos ensinamentos e da inspiração de Deus, sofria as consequências

O presidente que tem Messias no nome é declaradamente cristão e costuma encerrar suas falas com “Deus acima de todos”. Se Bolsonaro ou seus pastores tiverem familiaridade com o Salmo 72, saberão que a arma mais poderosa em tempos turbulentos é a sabedoria, aquela inspirada pelo Altíssimo e que pacifica o coração e traz justiça, paz e a equidade que acalma e ajuda a superar as piores tempestades.

Seguindo o conselho do hino de Salomão, o novo líder viverá longamente, trará “a abundância da paz” com compaixão pelos pobres e mais necessitados. É a esse tipo de reino descrito no Salmo 72 que São Paulo se refere em Romanos 13, uma mensagem do Novo Testamento que costuma ter seu sentido pervertido.

A palavra hebraica para Salomão (Shlomô) tem origem num dos mais conhecidos vocábulos judaicos: Shalom, ou “paz”, um termo familiar não apenas ao povo hebreu mas um patrimônio do mundo todo. Contando com as bênçãos de Deus, o governante que seguir os ensinamentos do patriarca, para quem tem fé, vê aumentar as chances de uma gestão gloriosa. Salomão não foi apenas sábio, ele acumulou tantas riquezas que “as minas do rei Salomão” entraram eternamente no ideário popular. Sabedoria e paz são indissociáveis desde sempre.

A despeito da fama e dos sucessos, o reino de Salomão, como qualquer outro, não foi perfeito. Toda vez que se distanciava dos ensinamentos e da inspiração de Deus, sofria as consequências. Sempre lembrado pela famosa disputa em que, ao ver duas mães disputando um bebê, Salomão opta pela mãe que implora que a criança não seja dividida ao meio, reconhecendo de imediato o verdadeiro amor materno, o rei mostrou que seu poder e fortuna eram meras consequências de sua arma mais poderosa, a sabedoria. E é de sabedoria que o Brasil mais precisa neste momento.

Evocar a sabedoria milenar de Davi e Salomão não é querer dar ares de divindade a um governante ou sugerir uma teocracia

Abomino qualquer relação messiânica de um povo com governos e governantes. Sou visceralmente cético e desconfiado de políticos e burocratas do Estado. Mas, como são necessários para a administração pública e para a salvaguarda do estado democrático de direito, da aplicação das leis e da manutenção da ordem, que sejam ao menos iluminados por Deus e bons conselhos na tarefa e saibam retribuir a confiança e o poder conferidos temporariamente e condicionalmente. E o mais importante que tudo: que lembrem a todo momento que não são deuses.

Evocar a sabedoria milenar de Davi e também de Salomão, autor dos livros sapienciais da Bíblia, não é querer dar ares de divindade a um governante ou sugerir uma teocracia, um erro que muitos cometem por má-fé, literalmente. Quando os hebreus fugiram do faraó do Egito no êxodo, deixando a escravidão e as pragas para trás sob a liderança de Moisés, estavam também rejeitando qualquer governante que se ache um deus, uma heresia que os faraós simbolizavam como poucos.

A oração dedicada a Salomão serve de guia e inspiração, não de salvo-conduto ou escudo contra críticas e cobranças. A busca de um reino inspirado por justiça, sabedoria e paz implica o reconhecimento de que os governantes não são deuses. Pelo contrário, são humanos, pecadores e falhos e assim devem ser tratados, especialmente em tempos de crise. Shalom!

—————————————————————

Alexandre Borges é podcaster e analista político. Seu canal no YouTube Imprensa Livre teve mais de 2 milhões de views no segundo turno da eleição de 2018. É também analista político e colunista da revista Veja, do jornal Gazeta do Povo e autor contratado da Editora Record. Na dio Jovem Pan, foi apresentador do programa 3 em 1, líder de audiência no segmento.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

15 Comentários

  1. Poucas vezes pude apreciar um artigo como este. Que Deus continue lhe iluminando e que possa, com liberdade, levar a todos, esses seus pensamentos.

    Responder
    • Até me surpreende o liberal destoante em meio a turma conservadora da Oeste falar em Deus, Davi, Salomão.

      Espero q está matéria ilumine a si próprio em seus posicionamentos em rede social.

      Responder
      • Boa, recado dado! A muito (infelzimente) o Alexandre Borges se desviou de conselhos e ensinos que ele dava a 5, 3 anos atrás.

        Responder
      • Apenas um esclarecimento: o principal viés da Revista Oeste é o liberalismo. O conservadorismo é o viés secundário.
        Isso não quer dizer que eu mesmo seja um liberal. Sou um conservador. E deixo claro que o conservadorismo pressupõe automaticamente o liberalismo na Economia, defende o Estado Mínimo.

        Responder
    • Ótimo conselho, para todos os governantes atuais. Mas infelizmente os egos não os deixam usar de sabedoria

      Responder
  2. Uau! Parabéns. Super parabéns. O cultivo das virtudes é indispensável.

    Responder
  3. Muito
    Bem escrito

    Responder
  4. “O Senhor é meu Pastor e nada me faltará”Agora é tempo de orar.Satanás está rondando Brasília,de capa preta,travestido de Faraó.”Vade retro Satanás”Deus acima de todos.”Vamos orar pela OESTE”Na Venezuela não se faz comentários.Minniápolis faz protestos.E que protestos!Se baterem na porta de madrugada com armas pra revirar a casa,escondam a Revista OESTE.E rezem!

    Responder
    • Talvez seja mais fácil ao vencedor aceitar suas limitações, do que aos derrotados aceitarem a derrota.

      Responder
  5. Quao bom e agradável é que os irmãos vivam em União…

    Responder
  6. Certa vez estava eu lendo um livro quando, a determinada altura, o autor fala sobre uma adolescente que vinha passeando em uma pequena moto e, vendo uma igreja, estacionou e resolveu entrar. Adentrando a igreja, a garota se sentiu deslumbrada, uma sensação maravilhosa que nunca tinha sentido antes. Em seguida o autor pergunta: Quem foi que a garota encontrou na igreja, foi Deus ou a beleza? Ele próprio não nos dá a resposta, mas nos ofereceu uma oportunidade de reflexão. Quantos não enfiam a cara em utopias, desejos que nunca se realizarão, simplesmente porque não se perguntam o que irão encontrar lá. E desses os cemitérios estão cheios, juntamente com suas vítimas. Há pouco tempo, alguém mostrou uma faixa em um cemitério, não sei onde, que dizia o seguinte: “Estamos aqui hoje devido aos lugares em que estivemos antes”.

    Responder
  7. Este proselitismo barato não deixa que esqueçamos que Alexandre Borges é, de longe, o pior colunista desta revista. Destoa muito dos demais.

    Responder
  8. O governante pode evocar a sabedoria salomônica, mas terá muita dificuldade em exercê-la se seus inimigos influentes, e em maior número, boicotaram suas ações e deturparem suas palavras. A única maneira de neutraliza-los é trazer o povo para seu lado, de modo inconteste, organizado e pacífico, no entanto só um verdadeiro e sábio líder terá condições de apaziguar seu povo e cobduzi-lo no rumo da paz e prosperidade. Esse personagem ainda não encarnou no Brasil.

    Responder
  9. Espero que essa inspiração divina se repita em suas próximas colunas. Muito boas aa palavras, embora reconheça que deveriam ser direcionadas aos Ministros do STF e presidentes da Câmara e Senado Federal, já que o nosso presidente Messias não governa sozinho e tem seus poderes limitados por esses outros personagens .

    Responder
  10. Menos religião na política, mais racionalidade e maturidade.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês