Emprego na construção é o maior para setembro nos últimos oito anos

Edição da semana

Em Em 28 out 2020, 15:00

Emprego na construção é o maior para setembro nos últimos oito anos

28 out 2020, 15:00

Indústria da construção civil segue em ritmo acelerado, com avanço também na atividade e na utilização da capacidade operacional

Construção civil

Construção civil | Foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo

Após o período mais crítico da pandemia, a retomada da indústria de construção civil segue em setembro, segundo a Sondagem Indústria da Construção, da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O número de empregados cresceu para 50,1 pontos no mês, na quarta alta consecutiva. O índice é o maior desde abril de 2012, confirmando o bom momento do emprego no setor.

Os bons resultados ocorrem após fortes quedas observadas em março e abril, que haviam levado o emprego a um patamar muito baixo.

“Se olharmos a série histórica, vamos ver que faz muito tempo que o índice de evolução do emprego não cruza a linha divisória de cinquenta pontos, como ocorreu no mês de setembro. Esse é um dado importante”, explica o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

CNI

Foto: Reprodução/CNI

Foram entrevistadas 170 empresas de pequeno porte, 197 de médio porte e 94 grandes, entre 1º e 14 de outubro de 2020.

Como funciona o índice

O índice varia de 0 a 100, e valores acima dos 50 pontos refletem crescimento do nível de atividade e do emprego. E quanto mais distante da linha divisória de 50 pontos mais forte e mais disseminado é esse crescimento.

Nível de atividade

O índice de evolução do nível de atividade está em 51,2 pontos, queda de 0,2 ponto em relação a agosto. A ligeira queda é pouco significativa, pois o índice está acima da linha divisória de 50 pontos pelo segundo mês consecutivo.

CNI

Foto: Reprodução/CNI

Indústria da construção opera com 62% da sua capacidade

A Utilização da Capacidade Operacional cresceu em setembro pelo quinto mês consecutivo, ao apresentar alta de 2 pontos porcentuais frente a agosto e atingindo 62%. O porcentual é idêntico ao registrado em setembro de 2019 e supera os porcentuais registrados entre os anos de 2015 a 2018.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Não deixa a esquerda saber disso senão ela entra com uma ação no Supremo pra proibir construção no Brasil.

    Responder
  2. Não “ficou em casa”, cresceu e ninguém morreu de Covid…

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês