Empresas cobram plano de retomada das atividades em Belo Horizonte - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 19 jul 2020, 15:30

Empresas cobram plano de retomada das atividades em Belo Horizonte

19 jul 2020, 15:30

Empresários vão protestar contra a falta de um plano de retomada para a capital mineira, chefiada pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD). Movimento por um plano de retomada é capitaneado pelo presidente da Abrasel, Paulo Solmucci

Presidente da Abrasel, Paulo Solmucci, cobra um plano viável. “Não estamos propondo reabrir hoje ou amanhã”, justifica | Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

A vida volta, pouco a pouco, à normalidade no Brasil. Mas não em Belo Horizonte. A capital mineira é a única entre as 27 capitais que não dispõe de um plano para a retomada das atividades. Por esse motivo, empresários se mobilizam para pressionar o prefeito da cidade, Alexandre Kalil (PSD), a elaborar algum planejamento.

O movimento é capitaneado pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). O presidente da entidade, o mineiro Paulo Solmucci, apresentou a Kalil a sugestão de um plano para que ele possa se manifestar, mudar ou aprimorar. O que os empresários não abrem mão é de debater e tirar a prefeitura da atual inércia.

A ideia das empresas não é, necessariamente, discutir quando reabrir as atividades. “Não estamos propondo reabrir hoje ou amanhã, mas, sim, ter um plano viável”, declara Solmucci em um vídeo obtido por Oeste. Com apoio de outras entidades e empresas, ele promoverá uma manifestação na próxima quarta-feira, 22, na Praça da Liberdade, às 14h30.

Sacrifício

O protesto tem autorização da Polícia Militar (PM) e será pacífico, aberto para toda a sociedade. A defesa por um plano de retomada das atividades é a pauta central. “Somos a única capital do país sem um plano para a retomada das atividades. Belo Horizonte chegou a 120 dias com seus shoppings, bares e restaurantes e muitos outros estabelecimentos com suas portas fechadas”, critica Solmucci.

Nesses 120 dias, o presidente da Abrasel ressalta que a capital mineira acumulou enormes perdas de vidas, empresas e empregos. “Infelizmente, todo esse sacrifício não conteve o inimigo invisível. E, nos próximos dias, viveremos a triste e previsível escalada da curva”, pondera.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. O Kalil é um demagogo que foge das criticas agredindo seus críticos. Um Ciro Gomes mineiro.
    .

    Responder
  2. Não será reeleito. Minas Gerais está de saco cheio de instituições infestadas de PETRALHAS. A PBH só tem essa porcaria, por isto não funciona

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês