Entenda o texto final do Plano Mansueto em votação na Câmara - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 13 abr 2020, 16:47

Entenda o texto final do Plano Mansueto em votação na Câmara

13 abr 2020, 16:47
Câmara vacina contra a gripe

Deputados também terão vacina contra gripe | Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Os governadores e prefeitos poderão reajustar o salário de seus servidores. Conforme a Oeste antecipou, o relatório final do Projeto de Lei Complementar (PLP) 149/19, o chamado Plano Mansueto, não traz a suspensão de aumentos salariais previsto no texto anterior. Além disso, a redação veda que os estados possam conceder isenções fiscais, instrumentos tributários utilizados para estimular a geração de emprego e renda.

Ambas as medidas eram pleiteadas pelo governo, que vai orientar voto contrário à proposta final. A Oeste também antecipou os principais pontos do texto final, que prevê um impacto de R$ 89,6 bilhões, e explica, agora, os detalhes técnicos e por que o Executivo é contrário.

O governo critica a proposta devido a falta de contrapartidas ao ajuste fiscal. O texto será votado sob o formato de uma subemenda substitutiva global ao PLP 149 sem estipular contrapartidas para os estados e municípios. É composto por três eixos, dos quais dois são integralmente ou parcialmente criticados pelo governo.

Abaixo, a Oeste detalha os principais trechos baseado em um relatório técnico assinado pela assessoria de Orçamento da liderança do DEM, partido do relator do substitutivo, Pedro Paulo (RJ). E explica os bastidores dos motivos do partido ser a favor e por que o governo é contra alguns pontos.

1) Aplicação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) em períodos de calamidade pública

A) Ficam excluídas as condicionantes para o aumento de despesa, redução de receita e para o recebimento de transferência voluntária durante o período de calamidade pública, desde que as renúncias de receita concedidas e as despesas geradas vigorem somente no prazo de vigência do estado de calamidade pública, salvo se, excedido o prazo, os efeitos financeiros posteriores atenderem as condições e observarem as vedações previstas na LRF.

B) Fica vedado o aumento de despesas não diretamente relacionadas ao combate dos efeitos da calamidade.

Por que o DEM é a favor: o entendimento é que não é o momento de se arrochar os estados e municípios cobrando contrapartidas em um momento em que a arrecadação entre os entes federados cai, em média, 30%

Por que o governo é contra: pela ausência de contrapartidas e o afrouxamento à LRF.

2) Compensação pela perda de arrecadação do ICMS e ISS

A) Compensa a queda na arrecadação entre abril a setembro de 2020 em relação a mesmo período de 2019.

B) Dos R$ 80 bilhões propostos em transferências aos estados e municípios para a compensação de perdas de ICMS e ISS, 75% vai para os estados e 25% aos municípios.

C) Será considerado nulo o ato que conceda ou amplie incentivo ou benefício de natureza tributária, bem como isenção em caráter geral, diferimento, suspensão, alteração no prazo de recolhimento, benefício de natureza financeira ou creditícia que reduza a arrecadação de ICMS e ISS.

* Há ressalvas ao ponto C. Os estados e municípios poderão postergar o prazo de recolhimento de impostos por micro e pequenas empresas. E as renúncias e benefícios diretamente relacionadas ao enfrentamento do coronavírus poderão ser concedidas ou ampliadas se requeridas pelo Ministério da Saúde ou para preservação de empregos.

Por que o DEM é a favor: por entender que os estados, com queda média de arrecadação de 30%, precisam de transferências compensatórias para evitar o colapso da prestação de serviços públicos.

Por que o governo é contra: porque acredita que não dá previsibilidade à distribuição dos recursos, pelo contrário. Entende que dá um cheque em branco a governadores e prefeitos ao conceder R$ 80 bilhões fixos sem um planejamento meritocrático e de contrapartidas ao ajuste fiscal e à geração de empregos.

3) Suspensão do pagamento das dívidas com o BNDES e Caixa

A) O BNDES e a Caixa ficam autorizados a celebrar termos aditivos por estados, Distrito Federal e municípios a partir da data de publicação até o fim do exercício financeiro de 2020, não se aplicando às operações de crédito que sejam objeto de discussão no âmbito de processos judiciais.

B) Ficam suspensos os pagamentos das operações de crédito devidas por estados, o Distrito Federal e os municípios junto aos bancos com vencimento entre de 1º de março e 31 de dezembro de 2020, ainda que não celebrados aditamentos contratuais prévios.

C) Caso não sejam celebrados os aditamentos, as prestações não pagas no vencimento originalmente previsto terão seu vencimento em parcelas mensais iguais e sucessivas trinta dias após o prazo inicialmente fixado para o término do contrato.

3.1) No caso do Banco do Brasil:

D) A União ficará impedida de executar as garantias das dívidas decorrentes dos contratos dos estados, municípios e do DF;

E) Será celebrado aditamento contratual no exercício financeiro de 2020, atualizados pelos encargos financeiros contratuais de adimplência.

F) Caso não sejam celebrados os aditamentos, serão acionadas as garantias para saldar as prestações não pagas no vencimento originalmente previsto, atualizados pelos encargos financeiros contratuais de adimplência e com vencimento a partir do décimo dia subsequente do período de calamidade, em 12 parcelas.

Neste eixo de suspensão de dívidas, governo e DEM sinalizam alinhamento. Impacto é de R$ 9,6 bilhões

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Ou seja, os Estados poderão continuar fechando o comércio porque a União não deixará faltar recursos.

    Responder
  2. Desse jeito é muito fácil ser ditador, os governadores e prefeitos fecham tudo, tolhe a liberdade e a livre iniciativa e depois o governo federal paga a conta. Fácil né?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

O custo e o valor de ser ‘contrariador’

Prêmios como o ‘Contrarian Prize’ servem para aplacar o medo que muitos têm de se manifestar em defesa daquilo em que acreditam e assim reduzir o poder social do cancelamento cultural

Mentir e trancar é só começar

“Se você começar a proibir aglomeração em ônibus, vai faltar povo pra abastecer a quarentena vip, né?” / “Aí você captou tudo. Vidas doces importam”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Não é erro, é viés!

Não é uma tese conspiratória imaginar que há, sim, esquema nas pesquisas. Essa é uma possibilidade plausível

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O ex-mártir

O ex-mártir

"O antigo santo da luta anticorrupção, bandido para a esquerda e traidor para os bolsonaristas é um homem como qualqu...
A descoberta do ano

A descoberta do ano

"Desde o primeiro caso de covid-19, boa parte dos políticos viram na epidemia uma belíssima oportunidade para tirar pr...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 37 — 04/12/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês