Escola zera redação de aluno que 'desrespeitar direitos humanos'

Edição da semana

Em 26 set 2020, 17:30

Escola zera redação de aluno que ‘desrespeitar direitos humanos’

26 set 2020, 17:30

Caso ocorreu no Distrito Federal

escola

Exame tem charge crítica ao presidente Jair Bolsonaro | Foto: Divulgação/Agência Brasil

Uma prova escolar do Centro de Ensino Médio Urso Branco, da rede pública do Distrito Federal, chamou a atenção dos pais de alunos por causa do conteúdo ideológico, de acordo com o jornal Gazeta do Povo. Ao aplicar a prova, uma professora apresentou as definições de “racismo sistêmico, estrutural e crime de ódio”. O material é ilustrado por uma foto do Panteras Negras, movimento de extrema esquerda que promoveu atos de terrorismo nos Estados Unidos, nos anos 60 e 70. Além disso, o teste traz uma charge em que um engraxate negro, menor de idade, ouve de um cliente: “Viu aí? O presidente disse que o racismo é coisa rara no Brasil”.

Leia também: “O antirracismo acima de todos e as ‘vidas negras’ acima de tudo”

O menino, então, responde: “Tão rara quanto a humanidade e o bom senso numa declaração dessa”. A fala é uma citação que faz alusão ao que declarou Jair Bolsonaro, em maio de 2019, no programa da apresentadora Luciana Gimenez. “A partir da leitura dos textos motivadores apresentados e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema ‘Racismo’ apresentando proposta de intervenção”, orienta o enunciado da prova. Adiante, o aviso: “Receberá Nota Zero a redação que desrespeitar os direitos humanos”.

Veja a prova obtida pelo jornal

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. Professora não, militante de uma ideia equivocada pois não existe raça humana em termos genéticos. Esta “professora” precisa voltar aos bancos escolares

    Responder
  2. Correção, não existem raças humanas apenas uma raça em termos genéticos

    Responder
  3. É verdade! Os idiotas cada vez mais ousados!

    Responder
  4. Quem define o que é “desrespeito” são os professores da ultra-esquerda?

    Responder
  5. Mas a prova não usa o termo “raça” em nenhum momento.
    E tampouco há o aviso de “zerar” prova, só há a solicitação de respeito aos direitos humanos.
    Faltou ler a prova antes de escrever a matéria.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês