-Publicidade-

Manifestantes do ‘Black Lives Matter’ destroem loja da Amazon

Empresa de Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, apoiou o movimento após a morte de George Floyd
Foto: REPRODUÇÃO/KOMO NEWS
Foto: REPRODUÇÃO/KOMO NEWS | manifestantes do black lives matter contra loja amazon go

Empresa de Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, apoiou o movimento após a morte de George Floyd

manifestantes do black lives matter contra loja amazon go
Foto: REPRODUÇÃO/KOMO NEWS

Homem mais rico do mundo, com fortuna avaliada em 172 bilhões de dólares, Jeff Bezos viu sua empresa, a Amazon, apoiar o movimento “Black Lives Matter” desde que ele ganhou força com a morte de George Floyd. Meses depois, o gigante de tecnologia comandado pelo bilionário recebe a “recompensa” por parte de manifestantes que desde maio tomam as ruas dos Estados Unidos com atos de vandalismo.

Leia mais: “‘Vocês são os racistas’, diz mulher negra a antifas nos EUA”

Nesta semana, uma unidade da Amazon Go em Seattle, no Estado norte-americano de Washington, não escapou da ira de quem diz se importar com as vidas negras, mas ignora o bom convívio em sociedade. Durante protesto noturno, um grupo de manifestantes destruiu a fachada da loja. Vídeo divulgado pelas redes sociais mostra que os vândalos só pararam com a chegada da polícia. De acordo com o site Komo News, todas as janelas do local foram quebradas.

Gratidão?

Assim, com janelas de loja destruídas, a Amazon recebe a retribuição por parte de integrantes do movimento “Black Lives Matter“. Em meio à repercussão dos protestos, a companhia aderiu ao ativismo de marca e divulgou apoio à causa, que ganhou notoriedade por se voltar contra estátuas de figuras históricas.

“O tratamento desigual e brutal de pessoas negras no nosso país deve acabar”

Na ocasião, a empresa falou que “o tratamento desigual e brutal de pessoas negras no nosso país deve acabar”. Para integrantes do “Black Lives Matter”, contudo, o que deve acabar mesmo são as lojas da Amazon.

“Juntos nos solidarizamos com a comunidade negra – nossos funcionários, consumidores e parceiros – na luta contra o racismo sistêmico e injustiça”, complementou a Amazon, em mensagem disseminada em junho. Tal luta parece agora se voltar contra a companhia.

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES: “A violenta revolução progressista” — artigo de Ana Paula Henkel publicado na edição 19 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês