EUA pedem que Brasil 'mantenha olhar crítico e cuidadoso' sobre a China

Edição da semana

Em Em 20 out 2020, 14:16

EUA pedem que Brasil ‘mantenha olhar crítico e cuidadoso’ sobre a China

20 out 2020, 14:16

Autoridades norte-americanas estão preocupadas, principalmente, nos movimentos de Pequim para expandir sua influência por meio da rede 5G

Larry Kudlow

Assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow | Foto: Shealah Craighead/Casa Branca

O assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse que os Estados Unidos incentivam o presidente Jair Bolsanaro e outras autoridades brasileiras a acompanharem de perto os investimentos da China.

Em evento organizado pela Câmara Americana de Comércio na segunda-feira 19, ele defendeu que o Brasil precisa manter um olhar cuidadoso, como faz Washington.

“Temos atuado aqui nos Estados Unidos, continuamos avançando, e é minha grande esperança que o Brasil atue conosco. […] Esperamos que o Brasil também mantenha um olhar crítico e cuidadoso sobre os investimentos chineses”, destacou Kudlow.

LEIA MAIS: Banco dos EUA vai investir quase US$ 1 bilhão no Brasil

As autoridades norte-americanas estão preocupadas, principalmente, nos movimentos de Pequim para expandir sua influência na maior economia da América Latina por meio da venda de tecnologia 5G pela Huawei.

Os EUA acreditam que a empresa entregará dados ao governo chinês para espionagem, uma afirmação que a Huawei nega.

“Incentivamos o Brasil a tentar trabalhar junto para garantir que vigiemos a China com atenção no que diz respeito a todos os tipos de tecnologia e telefonia e 5G”, disse o assessor econômico da Casa Branca, segundo a agência Reuters.

O representante comercial dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, foi na mesma linha.

Ele ressaltou o desejo do governo Trump de expandir os laços econômicos com o Brasil, mas minimizou perspectivas de um acordo de livre-comércio abrangente, dada a atual oposição do Congresso.

“A China tem feito movimento muito significativo no Brasil. Eles são o maior parceiro comercial do Brasil, então é algo que nos preocupa”, disse Lighthizer.

Acordos

Na segunda-feira 19, Brasil e Estados Unidos assinaram um Acordo de Comércio e Cooperação Econômica que prevê, entre outras medidas, a facilitação do comércio e o combate à corrupção.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Só acho estranho os americanos falarem p nós abrirmos os olhos com a china, quando eles através do globolismo distribuíram suas fábricas na Ásia, para poder utilizar mão d obra quase escrava e barata, causando desemprego, e deixando a mesma China a ameaçar o Estados Unidos como primeira potência mundial. Quanto ao Brasil é tarde demais, São Paulo já foi vendida p China e seu vendendor ofícial “o governador ” não tem nenhuma vergonha d tentar vender o estado e quem sabe o país p o partido comunista.

    Responder
  2. Vai Tomaro noku! Vai obrigar vachina na casa do caraleo! Phoda se o stl. (supremo tribunal do lula.) Ele que tome primeiro então! Phorra! E para de serem frescos e sensíveis com palavrões, phorra!

    Responder
    • Segundo relatos, as reações provocadas pela vachina são mal humor e palavrões ditos em linguagem desconexa.

      Responder
      • Falta de vaghina pode provocar noku de fresco primeiro tome um caraleo.

        Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês