Filho de Mandetta deixa aula após professor criticar seu pai

Edição da semana

Em 19 set 2020, 19:45

Filho de Mandetta deixa aula após professor criticar seu pai

19 set 2020, 19:45

Segundo revista, ele participava de uma aula de direito administrativo quando o professor começou a criticar a atuação do ex-ministro

Mandetta

Ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta | Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O filho do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, Paulo Mandetta, abandonou uma aula online após o professor fazer uma série de críticas ao seu pai. A informação foi divulgada pelo site revista Época neste sábado.

Ele é aluno da Universidade de São Paulo (USP) e participava de uma aula de direito administrativo quando o professor começou a criticar a atuação de seu pai à frente da Saúde.

LEIA MAIS: Bolsonaro anuncia adesão ao programa global de vacinas contra a covid-19

O professor afirmava que ex-ministro foi conivente com a política adotada por Jair Bolsonaro no combate à pandemia.

Segundo a revista, ao ver que Paulo Mandetta deixou a aula o professor brincou: “Olha só. Não sabia que tínhamos familiares do ministro aqui”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

11 Comentários

  1. Ui,ui,ui… o filho do ortopedistazinho político genocida tomou as dores do “daddy”. Paulinho, não chore muito, senão vai te dar falta de ar e aí você terá que ir pro hospital.

    Responder
    • Só podia ser na USP, professor diz que mandeta foi conivente com Bolsonaro na pandemia, primeiro mandeta foi nao ciência,não ciência ,não ciência pois somente é político e mais nada, segundo Bolsonaro tinha razão e inclusive continua suas afirmações se confirmando.

      Responder
    • Independente de Mandetta ter agido de forma equivocada, não é papel do professor ser comentarista político ou militante. O professor deve se ater ao trabalho de ensino da disciplina do curso.

      Responder
  2. Infelizmente o filho vai ter q ouvir isso durante anos. O seu pai simplesmente condenou a morte milhares d pessoas ao recomendar q elas ficassem em casa se sentissem os sintomas do COVID, e só procurasse um médico se ficasse com falta d ar. Essa recomendação foi mais política pq atingia diretamente o presidente, do q médica. Ele hj colhe o resultado d sua escolha política.

    Responder
  3. O Ministro que falava em Ciência e não seguia nenhuma norma comprovadamente eficaz…um fiasco que só agradou a mídia…

    Responder
  4. O ex ministro Mandetta mostrou-se um oportunista, politiqueiro e desleal ao Presidente, e o pior de tudo um péssimo médico, mas esse professor também não vale nada. Ao invés de lecionar direito administrativo, faz militância política. Feio para o professor e a instituição de ensino.

    Responder
    • Dependendo do que falava, tem a var com a aula sim. Direito administrativo.

      Responder
  5. Professor irresponsável e desinformado. Mandetta só atuava no palanque. Bolsonaro o pôs pra correr. De qualquer forma, sala de aula também não deve ser palanque!

    Responder
  6. O cara se diz médico, que eu saiba médico recomenda medicina preventiva e esse cidadão como Médico Sinistro, digo, Ministro deveria saber disso e orientar tratamento antes de ter que ir para um hospital.

    Responder
  7. Infelizmente este espaço para comentários NÃO é destinado ao debate saudável de ideias. Infelizmente são aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais a outro usuário. Caso isso ocorra, a Revista não está se reservando o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão, conforme havia prometido. Isso vem acontecendo comigo e com outros , cujos comentários eventualmente não seguem a mesma linha dos demais. Ficou um espaço onde não se pode discordar nem em parte ou apresentar uma abordagem diferente para reflexão dos que desejarem ouvi-la. Todas as ocasiões em que eu e alguns poucos outros fazemos ilações com base em argumentos fundamentados e que ,porventura, é diverso ao apresentado na reportagem, surgem leitores(poucos é verdade) que se utilizam de palavras chulas, adjetivos demeritórios e deboches infames de cunho extremamente pessoal e ofensivo e agressivos. É uma pena. Uma oportunidade que se perde para o necessário contraditório que nos eleva a patamares interessantes de respeito e dignidade. Faço aqui esse desabafo e me desculpem por não comentar nada sobre a matéria. Mas ocorre que no andar da carruagem apenas os que concordam com a matéria “in totum” é que podem se manifestar.

    Responder
    • Sinceramente posso até estar enganado, mas por enquanto não vi esse tipo d coisa aqui nos comentários da revista. Até fico surpreso positivamente com o nível das opiniões dos leitores do site.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês