'Fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia', diz Onyx Lorenzoni - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 15 maio 2020, 17:55

‘Fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia’, diz Onyx Lorenzoni

15 maio 2020, 17:55

Ministro da Cidadania defendeu o presidente Jair Bolsonaro, que, assim como mais de 50% dos leitores de Oeste, quer isolamento parcial

Onyx Lorenzoni defendeu isolamento parcial da população | Foto: Marcelo Casal Jr./Ag. Brasil

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, defendeu a posição do presidente Jair Bolsonaro de se preocupar com o impacto econômico das medidas de confinamento social como forma de combate ao coronavírus. Segundo o ministro, “fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia”.

Bolsonaro tem escalado empresários e ministros para pedir a reabertura da economia, que, de acordo com ele, está “no limite”.

“O presidente vem sendo agredido porque ousou preocupar-se com todos. Parece que só se poderia  olhar em uma direção”, disse Lorenzoni na abertura de uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto sobre o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 a informais.

Segundo o ministro da Cidadania, o presidente deu à área da saúde condições para que o SUS se fortalecesse, além de ter dado apoio a governadores e prefeitos. “Por outro lado, o presidente foi a primeira voz a dizer que é preciso se preocupar com o Brasil como um todo”, disse Lorenzoni. “Fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia”, acrescentou.

O ministro da Cidadania afirmou ainda que é uma questão de “justiça” requerer honestidade intelectual no debate sobre o impacto econômico da pandemia. Ao defender a abertura, Lorenzoni argumentou que o Brasil é, segundo ele, um dos países com menor número de óbitos por milhão de habitantes.

“Entendemos a necessidade de todos”, disse o ministro. “Não faltou dedicação para o auxílio chegar a 59 milhões de brasileiros.”

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. São Paulo é a locomotiva do Brasil. Os governantes, sejam eles quais forem, com a autorização do Supremo, não podem paralisar o Estado e, consequentemente, o País. As Indústrias estão colapsando, gerando fome, desemprego e pânico. Muito fácil dizer : Façam o que digo, mas não façam o que faço. Deveriam passar uma semana em uma favela, para sentirem o impacto das medidas adotadas.

    Responder
    • Insanidade o lokdow. Eu.posso ficar em casa mas quem.precisa trabalhar para comer não tem como. Usar a.mesma estratégia.pRa situações tão diferentes.. equilíbrio e bom senso w o que está falando. Aqui em.owrnambuco o governo soube do vírus antes do Carnaval.mas mesmo assim.foi feita a festa, com o estado.lotado de turistas. Agora acham.estranho a contaminação e o governador inferniza mais ainda a sociedade. Incompetência dizendpbqye e par salvar vidas. Será?

      Responder
  2. Não concordo 100% nas colocações do Presidente Bolsonaro. Qto a epidemia do vírus chinês ele acertou sempre. Pena o STF não ter deixado o Bolsonaro admistrar o combate ao vírus chinês, certamente teríamos menos mortes e menos dinheiro roubado.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês